Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Artífice da guerra contra o tráfico no México renuncia

Medina-Mora estava no cargo desde início do governo de Calderón, que tem como prioridade combate a cartéis

Das agências internacionais,

07 de setembro de 2009 | 19h38

O presidente mexicano Felipe Calderón comunicou hoje ter aceito o pedido de renúncia do procurador-geral Eduardo Medina-Mora, artífice da atual estratégia de combate ao narcotráfico. Para seu lugar, o presidente vai indicar o advogado Arturo Chavez, um ex-funcionário do órgão em Chihuahua.

 

Leia também:

linkEUA congela fundos para combate ao narcotráfico no México

linkConheça os cartéis mexicanos responsáveis pelo tráfico

 

Medina-Mora estava no cargo desde o início do governo de Calderón, em fins de 2006. Na ocasião, o líder elegeu o combate aos cartéis uma de suas prioridades. Desde então, a guerra ao tráfico mobilizou milhares de soldados e policiais, mas não conseguiu conter a sangrenta disputa entre os cartéis, que resultou na morte de 13,5 mil pessoas. Atualmente, são cerca de 20 mortes por dia.

 

Além de não conter a violência dos cartéis, o governo mexicano também não conseguiu capturar Joaquin Guzman, o chefe do poderoso cartel de Sinaloa e homem mais procurado do país. Calderón não informou o motivo da renúncia de Medina-Mora. Para ser efetivado no cargo, seu substituto Chavez deve antes ter seu nome confirmado pelo Senado mexicano.

 

Além da renúncia de Medina-Mora, Calderón informou também outras duas alterações em seu gabinete. O diretor-geral da estatal Pemex, Jesus Rees Heroles, será substituído por Juan Jose Suarez, e o secretário da Agricultura, Alberto Cardenas, será sucedido por Francisco Mayorga.

Tudo o que sabemos sobre:
CalderóncartéistráficoMéxico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.