As mães de supostos filhos do presidente Fernando Lugo

Três mulheres afirmam que paraguaio é pai de seus filhos; ex-bispo reconheceu a paternidade de um deles

O Estado de S. Paulo,

24 de abril de 2009 | 13h09

A situação do presidente do Paraguai, o ex-bispo Fernando Lugo, complicou-se com o aparecimento de mais um filho atribuído a ele - o terceiro em duas semanas - e a versão da existência de uma lista de seis outras mulheres que ainda vão reivindicar a paternidade dele sobre suas crianças. À medida que os escândalos de paternidade em série se alastram, a oposição prepara uma ação criminal por "estupro" contra o presidente, e seu vice, o liberal Federico Franco, ameaça romper com ele. Conheça as mulheres que pleiteiam a parternidade de seus filhos:

 

 

 Damiana Hortensia Moran Amarrilla - Militou na esquerda ao lado de Lugo e atualmente é proprietária de uma creche. Divorciada e com dois filhos do primeiro casamento, ela afirma ter tido um menino com o presidente há um ano e quatro meses. Damiana, porém, não pede pensão e condena uso do caso pela oposição.

 

Segundo ela, Lugo não sabia, até segunda-feira, quando ela o procurou, que era pai de seu filho. Ela diz que decidiu divulgar o fato "em nome da verdade", depois do surgimento de outros casos, e de ter tido conhecimento da lista de seis outras mulheres que reivindicariam o reconhecimento da paternidade de seus filhos por Lugo. A lista não incluiria Damiana nem as outras duas mulheres que já afirmaram ter tido filhos com o presidente. Segundo Damiana, o advogado de Lugo, Marcos Fariña, disse-lhe que o presidente reconheceria a paternidade de seu filho.

 

 Benigna Leguizamón - Camelô, de 27 anos, diz que Lugo é o pai de seu filho de 6 anos, Lucas Fernando. Segundo ela, o relacionamento com o bispo começou em maio de 2001, quando tinha 18 anos e foi à Igreja pedir assistência.

 

Na época, Benigna já era mãe solteira e não tinha assistência do pai de seu primeiro filho. Acabou tendo outro com Lugo, que lhe dava, segundo ela, 50 mil guaranis (cerca de US$ 10) por semana, até terminar o relacionamento, em outubro de 2003. Ela diz que o filho telefonou uma vez ao pai para pedir-lhe uma bicicleta. Lugo prometeu o presente, mas não cumpriu. Benigna afirma que se sentiu encorajada a denunciar Lugo depois que ele reconheceu, no dia 13, a paternidade de outro menino, que tem quase 2 anos.  

 

Viviana Carillo - O presidente assumiu há duas semanas a paternidade de um filho de 2 anos que teve com Viviana, de 26 anos. Ela disse que foi seduzida por Lugo aos 16 anos, na época em que se preparava para a crisma. O presidente era então bispo de San Pedro, no interior do Paraguai. O relacionamento teria começado na casa da madrinha dela. A oposição ameaça abrir um processo conta Lugo por estupro. O Código Penal do país considera estupro quando um homem com 18 anos ou mais seduz uma garota de 14 a 16 anos.

 

(Com Lourival Sant´Anna, de O Estado de S. Paulo)

Tudo o que sabemos sobre:
ParaguaiFernando Lugo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.