Ataque a caravana de secretária de Segurança Pública deixa 4 mortos no México

Funcionária e mais nove pessoas estão feridas; cerca de 20 homens atiraram contra 3 veículos

24 de abril de 2010 | 18h22

Associated Press

 

MORÉLIA- Homens armados com fuzis automáticos e granadas atacaram neste sábado, 24, uma caravana que transportava altos funcionários de segurança do estado de Michoacán, deixando quatro mortos e dez feridos no segundo incidente deste tipo em dois dias.

 

A secretária de Segurança Pública do estado, Minerva Bautista, estava no comboio e se recupera de feridas sem gravidade, de acordo com um funcionário da Procuradoria de Justiça de Michoacán que falou sob anonimato. Bautista viajava em um veículo a prova de balas.

 

Morreram dois seguranças da secretária e dois pedestres. Dos nove feridos além de Bautista, cinco eram pedestres - incluindo duas crianças de dois e 12 anos de idade - e quatro faziam parte da segurança da secretária.

 

Não houve informações imediatas sobre a identidade dos assassinos, que eram cerca de 20, e nem do possível motivo para o ato. A violência do tráfico de drogas é comum em Michoacán, bastião do cartel La Família.

 

Bautista voltava da inauguração de uma feira quando sua caravana de três veículos foi bloqueada pouco antes da meia-noite local por uma caminhonete.

 

Horas mais tarde do ataque à secretária, um grupo de pessoas lançou uma granada de mão contra um posto policial na capital do estado, Morelia, a 30 metros do departamento de Segurança Pública. A explosão danificou três veículos, mas não deixou feridos.

 

Os cartéis de droga no México atacaram anteriormente funcionários governamentais. O chefe da Polícia Federal morreu a tiros em maio de 2008 em um ataque atribuído a narcotraficantes furiosos com uma campanha nacional contra o crime organizado.

 

Nesta sexta, sete policiais e uma jovem de 17 anos morreram durante uma emboscada de supostos traficantes em Ciudad Juárez, fronteiriça com os Estados Unidos e cidade mais afetada pelo violência do narcotráfico. Dois policiais ficaram feridos no confronto e estão em estado crítico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.