JORGE PAYARES/EFE
JORGE PAYARES/EFE

Ataque contra delegacia deixa ao menos 5 mortos na Colômbia

O explosivo foi ativado à distância e deixou o pátio central destruído; um suspeito foi detido

EFE

28 Janeiro 2018 | 01h23

BARRANQUILLA - Um ataque com explosivos contra uma delegacia de polícia do bairro de San José de Barranquilla, no norte da Colômbia, deixou pelo menos cinco policiais mortos e 42 feridos, informaram fontes judiciais neste sábado, 27.

O diretor da polícia colombiana, o general Jorge Hernando Nieto, que estava em Bogotá e viajou a Barranquilla, confirmou a informação em uma entrevista coletiva e qualificou o ataque como "insano".

Os mortos são Freddys Echeverría, Yosimar Márquez, Freddy López e Anderson René Cano Arteta e Christian Camilo Bellón.

Os feridos foram levados a diferentes hospitais da cidade.

+++ Ministro diz que há 28 feridos após atentado com 'carro-bomba' no Equador

O ataque ocorreu por volta das 6h30 locais (9h30 em Brasília), quando os policiais estavam no pátio para a mudança de turno e aparentemente foi cometido com um explosivo colocado em um dos muros da delegacia, disse a jornalistas o comandante da Polícia Metropolitana de Barranquilla, o general Mariano Botero.

Segundo o oficial, o explosivo foi ativado à distância "por uma terceira pessoa" e deixou o pátio central destruído, com escombros e capacetes de policiais espalhados por todo o lugar.

+++ Farc denuncia morte de 36 ex-guerrilheiros desde acordo de paz

Inicialmente, a hipótese era a de que o atentado tinha sido cometido com uma granada, mas Botero informou que um suspeito, identificado como Cristian Camilo Bellón Galindo, foi preso perto da delegacia. Os agentes encontraram com ele um caderno e um rádio de comunicações.

A Procuradoria denunciará Galindo por cinco homicídios agravados e 42 tentativas de homicídio, bem como por terrorismo agravado e uso de explosivos.

"Seriam pessoas de fora que quiseram perpetrar uma atividade terrorista para gerar pânico na cidade, nesta época de pré-carnaval", disse o procurador-geral da Colômbia, Néstor Humberto Martínez, citado em um comunicado do seu escritório.

+++ Secretário de Estado dos EUA exclui Brasil de primeira viagem oficial para a América Latina

Segundo o diretor da polícia, tudo indica que o ataque é uma resposta do crime organizado pelas recentes operações contra suas atividades, e uma recompensa de 50 milhões de pesos colombianos (R$ 56 mil) foi oferecida em troca de informações sobre os responsáveis.

As autoridades também investigam se o atentado tem relação com um assalto simultâneo a um caminhão de transporte de valores em uma região próxima à delegacia, no qual não os ladrões levaram nada, mas um vigilante foi assassinado e outro ficou gravemente ferido. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.