Ataques das Farc obrigam fechamento de oleoduto na Colômbia

Dois atentados provocam vazamentos e interrompem o bombeamento de 100 mil barris produzidos por dia

Efe,

23 de junho de 2008 | 10h52

O bombeamento de petróleo pelo oleoduto colombiano Caño Limón-Coveñas, um dos mais importantes do país, foi interrompido devido a dois ataques da guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), informaram nesta segunda-feira, 23, fontes oficiais.   Veja também: Por dentro das Farc  Histórico dos conflitos armados na região     As Farc dinamitaram o oleoduto em dois pontos entre os departamentos de Arauca e Norte de Santander, na fronteira com a Venezuela, disseram as fontes. A estatal Empresa Colombiana de Petróleos (Ecopetrol) afirmou que os ataques das Farc foram nos municípios de Tibú (Norte de Santander) e Arauquita (Arauca).   O primeiro ataque foi cometido no sábado por três homens que dinamitaram o oleoduto em um lugar conhecido como El Progreso, na região de Catatumbo, enquanto o segundo foi no domingo à tarde.   Os dois ataques provocaram vazamentos de petróleo e obrigaram a Ecopetrol a suspender o envio de petróleo pelo oleoduto, de cerca de 800 quilômetros de comprimento e que transporta aproximadamente 100 mil barris diários entre o nordeste da Colômbia e o Caribe.

Tudo o que sabemos sobre:
FarcColômbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.