Atentado com carro-bomba contra polícia deixa quatro mortos no México

Ataque foi o primeiro do tipo desde que Felipe Calderón assumiu o poder, em 2006

Reuters,

16 de julho de 2010 | 18h07

Policiais ajudam ferido em atentado em Ciudad Juárez

 

CIUDAD JUÁREZ- Um ataque com carro-bomba contra um comboio policial deixou quatro mortos e onze feridos em Ciudad Juárez, no norte do México, no primeiro atentado deste tipo na cidade e durante o governo do presidente Felipe Calderón, informaram fontes oficiais nesta sexta-feira, 16.

 

Os confrontos entre cartéis de drogas rivais ou contra as autoridades sempre haviam sido com rifles e granadas desde que Calderón assumiu o poder em 2006 e declarou guerra contra o narcotráfico.

 

Policiais federais e paramédicos atenderam na tarde de quinta um chamado de emergência em uma rua da cidade quando o carro-bomba explodiu, de acordo com fontes que estavam no local.

 

"Eram dez quilos de explosivos detonados a distância, provavelmente por um celular", disse à Reuters Enrique Torres, porta-voz do Exército em Ciudad Juárez. O tipo de explosivo usado no ataque não foi imediatamente especificado.

 

O cartel local Juarez reivindicou a autoria do atentado, como foi escrito em uma cerca no sudoeste da cidade. A legenda advertiu que ataques como esse continuarão ocorrendo contra autoridades que apoiam o "El Chapo", como é conhecido Joaquin Guzman, líder do rival cartel de Sinaloa e capo mais procurado no México e nos Estados Unidos.

 

Milhares de mortos

 

Desde janeiro de 2008, quase 6.000 pessoas foram assassinadas em Ciudad Juárez, cidade mais violenta do país vizinha a El Paso, no Texas.

 

Em todo o país, mais de 25.000 pessoas morreram pelas mãos do crime organizado desde que Calderón chegou a presidência, há mais de três anos e meio. Os cartéis se enfrentam entre si e contra as forças de segurança pelas lucrativas rotas de drogas até os Estados Unidos, principal mercado do mundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.