Atentado em bairro de Bogotá deixa ao menos 2 mortos

Explosão aconteceu no estacionamento de uma loja de aluguel de filmes; não há registro de feridos

Agências internacionais,

28 de janeiro de 2009 | 01h49

O ministro da Defesa colombiano, Juan Manuel Santos, confirmou nesta quarta-feira, 28, que duas pessoas morreram e nenhuma ficou ferida no atentado à bomba ocorrido em Bogotá.  A explosão ocorreu por volta de meia-noite, no horário de Brasília, e causou destruição num raio de 100 metros em La Cabrera, bairro elegante ao norte da capital do país.   As 20 pessoas que anteriormente tinham sido dadas como feridas haviam ficado presas no interior da loja, mas os serviços de emergência conseguiram achá-las a salvo, conforme informou o ministro. Segundo a edição online do jornal colombiano El Tiempo, a explosão aconteceu em um caixa-eletrônico próximo a uma vídeolocadora. Os mortos foram identificados como uma mulher de 25 anos que passava pelo local e um homem que cuidava dos veículos no estacionamento da loja. Segundo a BBC, pelo menos cinco carros ficaram destruídos e residências próximas foram danificadas.    "A bomba foi dirigida a uma empresa em particular, este é o tipo de bomba que afeta uma comunidade indiscriminadamente. É um ataque terrorista, covarde, que censuramos de todo ponto de vista", disse Santos à emissora de rádio RCN. O governo ofereceu uma recompensa de até 100 milhões de pesos (US$ 50 mil) a qualquer cidadão que der informação que leve à detenção dos responsáveis pelo atentado.   Santos disse também que o ataque está de acordo com os planos das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), embora não tenha confirmado que realmente tenha sido obra da organização guerrilheira. O prefeito de Bogotá, Samuel Moreno, afirmou que a carga explosiva era de cerca de 5 quilos que tinha sido colocada na porta do estabelecimento. As declarações derrubam a primeira hipótese de que se tratasse de um carro-bomba, como informava a imprensa colombiana pouco depois do fato.   Moreno afirmou ainda que para esta quarta-feira foi convocado um conselho extraordinário de segurança na Prefeitura de Bogotá "a fim de avaliar a situação". "Bogotá não se esquiva perante o crime nem o terrorismo", disse o prefeito, ao qualificar o atentado de "criminoso e terrorista".   Matéria atualizada às 7h45.

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaBogotáatentadoataque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.