Ativista e jornalista venezuelano é assassinado

Wilfred Ojeda pertencia ao partido oposicionista Ação Democrática

REUTERS

19 de maio de 2011 | 09h54

CARACAS - A polícia venezuelana encontrou o corpo assassinado de um colunista de jornal e ativista político da oposição, largado em um terreno baldio, segundo promotores na quarta-feira, 18.

Wilfred Ojeda, de 56 anos, escreveu uma coluna para o jornal El Clarín na cidade de La Victoria e era um ativista de longa data do partido político Ação Democrática, que se opõe ao presidente Hugo Chávez.

Chávez tem sido criticado por criar um ambiente altamente polarizado na mídia venezuelana e por pressionar a mídia da oposição a ser mais equilibrada. Mas apesar de o assédio da polícia ser comum, casos graves de violência contra jornalistas e políticos são mais raros do que na vizinha Colômbia ou no México.

Nesses países, a violência contra jornalistas já foi ligada aos traficantes de drogas. O suposto chefe do tráfico de cocaína da Venezuela, Walid Makled, está aguardando julgamento, acusado de assassinar um repórter.

Ojeda estava encapuzado, foi agredido e apresentava sinais de tortura, disseram os promotores. Ele foi morto por um único tiro na cabeça.

Tudo o que sabemos sobre:
VENEZUELAJORNALISTAMORTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.