Ausência de Lugo marca último debate antes de pleito paraguaio

Favorito em todas as pesquisas, ex-bispo justifica ausência alegando falta de 'condições políticas para participar'

Efe,

17 de abril de 2008 | 19h49

Com a ausência do ex-bispo Fernando Lugo, os outros três principais candidatos à Presidência do Paraguai participaram nesta quinta-feira, 17, no último dia de campanha para as eleições gerais de domingo, de um debate transmitido em rede nacional de televisão. Por meio de uma carta lida por seu chefe de campanha, Lugo, favorito em todas as pesquisas, justificou sua ausência alegando falta de "condições políticas para poder participar de um encontro destas características." Veja também:Campanha presidencial paraguaia chega à reta finalOposição paraguaia diz que não reconhecerá primeira apuração A desculpa do candidato, que conseguiu um amplo apoio da esquerda e de grupos sociais, motivou duras críticas do moderador do debate, promovido pelo canal Telefuturo e comandado pelo jornalista Humberto Rubin. A ex-ministra da Educação Blanca Ovelar, do governista Partido Colorado; o general reformado Lino Oviedo, líder da União Nacional de Cidadãos Éticos (Unace), uma dissidência da legenda no poder; e o empresário Pedro Fadul, do Partido Pátria Querida (PPQ), também questionaram a ausência do ex-bispo. Nas duas horas do programa, Blanca, Oviedo e Fadul repetiram suas promessas eleitorais para as áreas de saúde, educação, energia e economia. A questão do Mercosul, fundado em 1991 por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, foi introduzida no debate a partir de uma ligação internacional do ex-presidente uruguaio Luis Alberto Lacalle. O ex-chefe de Estado uruguaio pediu aos candidatos que "não permitam" a politização da "associação econômica e comercial", independentemente de qual seja eleito presidente. Sobre o tema, Blanca disse que o maior problema "são os desequilíbrios" entre as economias de Brasil e Argentina, de um lado, e do Paraguai e do Uruguai, do outro. Já Oviedo denunciou os impedimentos comerciais, enquanto Fadul afirmou que quando o país for "mais sério" irá "tirar (mais) proveito". Ainda nesta quinta-feira, o general Oviedo fechará sua campanha com uma caravana pelas ruas de Assunção.  Por sua vez, a Aliança Patriótica Para a Mudança (APC), liderada por Lugo, programou um grande comício no centro da capital do país, no mesmo local onde, na noite de quarta, o Partido Colorado reuniu dezenas de milhares de simpatizantes para ouvir Blanca e o atual presidente, Nicanor Duarte.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições no Paraguai

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.