Autoridades capturam 40 rebeldes das Farc na Colômbia

Operação havia sido iniciada há 20 meses; objetivo é prender mais 13 guerrilheiros na região

Efe,

19 de outubro de 2009 | 16h18

As autoridades colombianas capturaram 40 guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em uma gigantesca operação que pretende deter 53 rebeldes no noroeste do país, informaram fontes oficiais nesta segunda-feira, 19.

 

O diretor do Departamento Administrativo de Segurança (DAS, a polícia secreta colombiana), Felipe Muñoz, disse a jornalistas que há 20 meses teve início a investigação para desarticular as estruturas de apoio financeiro e miliciano do bloco oriental das Farc que opera nessa região da Colômbia.

 

Veja Também

linkUribe apresenta 'caráter pacífico' como garantia sobre bases

 

"Ocorreu a partir da manhã desta segunda o começo das 53 capturas (...) até este momento houve 40 detenções em Bogotá, Cúcuta, em três municípios de Arauca, em Casanare e Bucamaranga", disse o funcionário.

 

Muñoz acrescentou que a operação foi denominada ABC por serem as letras iniciais dos departamentos de Arauca, Boyacá e Casanare, onde atuam algumas frentes do bloco oriental das Farc, contra quem se dirige a ação das autoridades. Esses blocos estão sob o comando de rebeldes conhecidos como "Grannobles" e "Rafael Gutiérrez".

 

A investigação começou porque fontes denunciaram alguns colaboradores das Farc. A Procuradoria emitiu, então, "53 ordens de captura que estão sendo cumpridas".

 

"Em princípio, é uma operação que está dirigida aos milicianos e estruturas de apoio financeiro e de colaboração dessas frentes de guerrilheiros que tenham cometido crimes em Arauca, Boyacá e Casanare", disse Muñoz.

 

O diretor da polícia secreta colombiana acrescentou que este é "um golpe forte" nas estruturas do bloco oriental das Farc.

 

As pessoas detidas serão levadas a Bogotá para ser indiciadas, em sua maioria por acusações de rebelião, homicídios com fins terroristas e extorsão.

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaFarcnarcotráficoguerrilha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.