Autoridades da Colômbia e Farc ainda não viajaram à Noruega

Negociadores de paz do governo da Colômbia e rebeldes das Farc ainda não viajaram para a Noruega, aumentando a possibilidade de que as negociações de paz possam ser adiadas ainda mais e que as partes cancelem o único evento público programado para quarta-feira.

Reuters

16 de outubro de 2012 | 08h18

Negociadores do governo ainda estão em Bogotá, preparando-se para viajar, afirmou uma fonte do governo à Reuters, enquanto rebeldes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) ainda estão em Cuba, descansando após a viagem para sair da selva, afirmou o jornal El Espectador.

As partes envolvidas já atrasaram diversas vezes o início das conversas, que têm como objetivo acabar com meio século de conflito armado no país, aumentando as dúvidas de que estejam em Oslo para o evento programado para a tarde de quarta-feira.

O Ministério de Relações Exteriores da Noruega disse que a coletiva de imprensa ainda está marcada, mas que não iria divulgar informações sobre o local e horário exatos, afirmando que cabia aos grupos colombianos finalizar os detalhes.

Ambos os lados concordaram em agosto com o início de negociações de paz em Oslo nas duas primeiras semanas de outubro, para depois se mudarem para Havana para a parte mais substancial das conversações, na mais recente tentativa de paz após diversos fracassos anteriores.

Informações da imprensa colombiana apontaram um conflito sobre a composição da delegação das Farc, particularmente a inclusão de Tanja Nijmeijer, de nacionalidade holandesa.

Em uma declaração datada do dia 15 de outubro, as Farc insistiram que tinham o direito de selecionar os integrantes da equipe e disseram que Nijmeijer faria parte da delegação de 21 a 27 de outubro.

Entretanto, eles não esclareceram se ela viajaria para Oslo ou apenas faria parte das negociações em Cuba.

Espera-se que as conversações em Oslo sejam focadas em estabelecer um terreno comum para discussões posteriores, nas quais os envolvidos iriam então se concentrar principalmente em questões de território, drogas e participação política.

(Reportagem de Balazs Koranyi e Anna Valderrama)

Tudo o que sabemos sobre:
COLOMBIANEGOCIACOESFARCOSLO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.