Avião militar dos EUA invade espaço aéreo da Venezuela

Um jato da Marinha norte-americanaviolou no sábado o espaço aéreo da Venezuela, em torno de duasilhas caribenhas, em um incidente que Caracas disse ser umaprovocação. O Pentágono disse que o avião participava de uma missãocontra o narcotráfico e teve problemas de navegação que olevaram a entrar no espaço aéreo venezuelano. O embaixador dosEUA em Caracas foi convocado para explicar o episódio, segundoa chancelaria local. "Caso um avião dos EUA entre não-intencionalmente no espaçosoberano de outra nação, sua tripulação está orientada a agirrapidamente para deixar o espaço aéreo e relatar o incidente àsua cadeia imediata de comando, o que esta tripulação aéreaaparentemente fez", disse o comandante-naval J.D. Gordon,porta-voz do Pentágono. O jato, um Viking S-3, chegou até perto da ilha de LaOrchila, onde fica uma residência oficial do presidentevenezuelano. "Foi um ato consciente da Marinha dos EUA," disseo ministro venezuelano de Defesa, Gustavo Rangel, em entrevistacoletiva. "É só mais um passo numa série de provocações." Rangel disse que esse tipo de incidente já aconteceu nopassado, mas que agora a Venezuela tem equipamentos paradetectá-los. De acordo com Rangel, o avião esteve a cerca de 120quilômetros do território continental venezuelano. Depois deocorrida a violação, o controle do tráfego aéreo entrou emcontato com o caça, que se identificou e informou sobre um errode navegação. O incidente pode agravar a tensão entre Venezuela e EUA,que envolve também a Colômbia. Na semana passada, Washingtondisse haver provas de ligação entre o governo de Hugo Chávez ea guerrilha colombiana Farc. Chávez rejeitou a acusação e disseque por causa dela está revendo as relações comerciais com aColômbia. Chávez habitualmente acusa os EUA e a Colômbia de tramaremuma invasão da Venezuela. No fim de semana, Bogotá negou aacusação feita por Caracas de que 60 soldados colombianosteriam entrado cerca de 500 metros no território venezuelano nasexta-feira. O jato envolvido no incidente de sábado pertence àForça-Tarefa Conjunta de Inteligência do Sul, uma operaçãoantidrogas com sede na Flórida. A missão havia partido da ilhacaribenha de Curaçao, que pertence à Holanda, segundo umaautoridade dos EUA. La Orchila, onde também há uma base militar, ficouconhecida entre os venezuelanos porque Chávez esteve detido alidurante o breve golpe de Estado de 2002. Em geral, a Venezuelasó autoriza vôos dos seus militares sobre a ilha. (Reportagem adicional de Kristin Roberts e Arshad Mohammedem Washington)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.