Ban pede mais 3.500 soldados ao Conselho de Segurança

Militares se somariam aos 9 mil soldados que integram a missão de paz da ONU no Haiti

estadao.com.br,

18 de janeiro de 2010 | 14h21

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, pediu nesta segunda-feira, 18, que o Conselho de Segurança da organização envie mais 3.500 soldados ao Haiti, país que foi devastado por um terremoto de magnitude 7 na escala Richter na última terça-feira.

 

Veja também:

linkTotal de mortos entre funcionários da ONU chega a 46

 

Entre os militares solicitados por Ban, 1.500 seriam policiais e os outros 2 mil integrariam a missão de paz da ONU no país (Minustah). Atualmente, a missão de paz conta com 9 mil agentes no Haiti. A decisão foi acertada em uma reunião a portas fechadas com 15 países.

 

"Vi cenas de partir o coração que nos compelem a agir rápida e generosamente agora e por um longo período", disse Ban, acrescentando que as tropas adicionais que pediu deverão ficar por seis meses no país.

 

Ban fez o pedido no momento em que o Conselho de Segurança - formado por Rússia, EUA, China, Reino Unido e França - se reúne para analisar a possibilidade de enviar mais

VEJA TAMBÉM:
video Assista a análises da tragédia
mais imagens As imagens do desastre
blog Blog: Gustavo Chacra, de Porto Príncipe
especialEntenda o terremoto
especialInfográfico: tragédia e destruição
especialCronologia: morte no caminho da ONU
lista Leia tudo que já foi publicado
forças internacionais de paz ao Haiti para melhorar a segurança no país devastado após o terremoto que ocorreu há seis dias.

 

Ban fez uma viagem no domingo ao Haiti para analisar a situação do país e decidir sobre as medidas que deveriam ser tomadas para ajudar na reconstrução, na estabilização e nos trabalhos de busca do país.

 

Até fevereiro de 2009, os 7.039 capacetes azuis da Minustah procediam da Argentina, Bolívia, Brasil, Canadá, Chile, Croácia, Equador, França, Guatemala, Jordânia, Nepal, Paraguai, Peru, Filipinas, Sri Lanka, Estados Unidos e Uruguai. Contribuem ao destacamento de 2.031 policiais de Benin, Brasil, Burkina Fasso, Canadá, Chade, Chile, China, Colômbia, Costa do Marfim, República Democrática do Congo, Egito, El Salvador, Espanha, EUA, França, Granada, Guiné e Índia. Também participam policiais da Itália, Jamaica, Jordânia, Madagascar, Mali, Nepal, Níger, Nigéria, Paquistão, Filipinas, Romênia, Rússia, Ruanda, Senegal, Sérvia, Sri Lanka, Togo, Turquia, Uruguai e Iêmen.

 

 

Com informações da Agência EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.