Betancourt diz que sequestro foi viagem à pré-história

Um pedaço de sabão, uma escova dedentes, uma ou outra roupa íntima eram o tesouro dafranco-colombiana Ingrid Betancourt em seus seis anos decativeiro na selva, descritos por ela como uma viagem àpré-história da qual foi resgatada na quarta-feira. "Há muito tempo não vejo a luz elétrica, há muito não tenhoágua corrente, há muito tempo não sei o que é água quente",disse a ex-candidata presidente, sequestrada em 2002, em suasprimeiras declarações à imprensa depois de seu resgate. A operação não teve nenhum disparo, relatou Betancourt, amais célebre refém das Forças Armadas Revolucionárias daColômbia (Farc) que seria trocada por guerrilheiros presos. "Me sinto como se estivesse voltando de uma viagem aopassado, como se tivesse regressado da pré-história", disseBetancourt, a primeira a sair do avião da Força Aérea que atransportou até a pista de uma base militar em Bogotá. Betancourt, que disse ter recebido suprimentos de maneiraintermitente e que pensava em suicídio diariamente, apertou emsuas mãos um rosário de contas com o qual rezava a Deus e àVirgem Maria, a quem também agradeceu em seu regresso àliberdade. "O pensamento no suicídio era diário, algo que adiávamosdiariamente", disse Betancourt ao canal de notícias CNN."Estive muito doente, creio que estive à beira da morte",acrescentou. COMIDA ESCASSA A ex-candidata também conseguiu sobreviver com um consumoescasso de comida, que não incluía frutas nem verduras, e que alevou a um estado grave de saúde, conhecido por fotos que amostraram com um rosto magro e longos cabelos. "Comemos muito pouco, com pouca variação na comida", disseBetancourt ao comentar a mais nova derrota à logística dosinsurgentes das Farc. Betancourt também agradeceu às diferentes emissoras derádio que abriram espaços para enviar cumprimentos aossequestrados que acompanharam a dureza do cativeiro no momentomais cruel de todos, segundo Betancourt, a colocação decorrentes nos reféns no começo da noite. "Isto é voltar à civilização e aqui estou", disseacompanhada de sua mãe, Yolanda Pulecio, e fazendo um esforçopara não cair em pranto. (Reportagem de Javier Mozzo Peña)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.