Betancourt, refém das Farc, é indicada para prêmio espanhol

A política franco-colombiana IngridBetancourt, mantida refém pela guerrilha Forças ArmadasRevolucionárias da Colômbia (Farc) há mais de seis anos, teveseu nome indicado para o prêmio espanhol Príncipe das Astúriasda Concórdia, disseram na segunda-feira os organizadores doevento. Várias personalidades e instituições internacionaisapresentaram a candidatura de Betancourt e das refénslibertadas recentemente Clara Rojas e Consuelo González dePerdomo, informou a Fundação Príncipe das Astúrias em umcomunicado. Betancourt, uma defensora da liberdade e dos direitoshumanos, foi senadora até abandonar seu cargo para concorrernas eleições presidenciais da Colômbia. Enquanto realizava sua campanha eleitoral em 2002,Betancourt, nascida em Bogotá em 1961, acabou sendo sequestradaem uma área de selva pela maior guerrilha do país. Osguerrilheiros levaram também Rojas, amiga dela e diretora dacampanha. Rojas, que deu à luz um filho enquanto estava no cativeiro,ganhou a liberdade em janeiro junto com a ex-senadora Gonzálezde Perdomo, sequestrada também havia seis anos, em meio a umacordo firmado pelas Farc e pelo governo do presidentevenezuelano, Hugo Chávez. O governo da Colômbia tenta conseguir apoio internacionalpara negociar com as Farc um acordo humanitário capaz degarantir a libertação de outros reféns, entre os quaisBetancourt. O processo, no entanto, encontra-se paralisado devido àrelutância de ambas as partes em realizar concessões. Betancourt "voltou seus esforços para defender a democraciae a justiça social, além da luta contra a corrupção, onarcotráfico e a violência, na busca por um futuro promissor emais esperançoso para as crianças e os jovens da Colômbia",afirmou a Fundação em seu comunicado. As entidades e personalidades que propuseram a candidaturade Betancourt ao prêmio viajaram por várias partes do mundoconclamando apoio à nomeação. Essas entidades e personalidades vêem nas três mulheres umsímbolo da luta pelos direitos humanos e os rostos maisvisíveis dentre as mais de 3.000 pessoas que continuam sendomantidas reféns pelas Farc, acrescentou o texto da fundação. Os jurados responsáveis por decidir o ganhador do prêmiocomeçam a deliberar em setembro. Entre os que já receberam o prêmio Príncipe das Astúrias daConcórdia nos últimos anos estão o cientista Stephen Hawkins, orei Hussein, da Jordânia, o "banqueiro dos pobres" MuhammadYunnus, a Rede Mundial de Reservadas da Biosfera, o Unicef(Fundo das Nações Unidas para a Infância) e o Yad Vashem, Museupara a Memória do Holocausto. O ato solene da entrega do prêmio ocorre no segundosemestre, no Teatro Campoamor de Oviedo, sob o comando dopríncipe das Astúrias. (Reportagem de Teresa Larraz)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.