Betancourt viajará à França para se reunir com Sarkozy

Para ex-candidata, comunidade internacional pode ajudar na libertação dos que ainda estão sob o poder das Farc

Efe,

03 de julho de 2008 | 04h32

A ex-candidata presidencial franco-colombiana Ingrid Betancourt informou que viajará na quinta-feira à França, onde deve se reunir com o presidente Nicolas Sarkozy. Ela foi libertada na quarta-feira, 2, junto a outros 15 seqüestrados pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). "Nesta quinta-feira vou à França para me reunir com o presidente Sarkozy", disse, em declarações à emissora de TV Caracol. Betancourt prometeu ainda que não vai se esquecer dos seqüestrados que estão em poder das Farc. Além disso, indicou que a comunidade internacional pode ajudar a Colômbia na libertação dos reféns em poder da guerrilha, assim como os países da região e "outros presidentes, como o da Venezuela, Hugo Chávez, e o do Equador, Rafael Correa". "Venezuela e Equador são povos irmãos", disse Betancourt, que defendeu o "restabelecimento dos vínculos de amizade com a Colômbia". Além disso, pediu que as Farc e especialmente seu novo secretariado e líder, "Alfonso Cano", "entendam que este é outro momento histórico", e que é preciso "fazer política e abandonar as armas". "A luta guerrilheira é obsoleta na América Latina, como disse Chávez", afirmou Betancourt, que reiterou que a guerrilha deve ter a "coragem" de reconhecer isso para abandonar a luta armada. Betancourt também agradeceu "profundamente" os trabalhos da França durante o tempo de seu cativeiro, e afirmou que quer ser enterrada nesse país. Familiares de Betancourt que vivem na França e o ministro de Relações Exteriores francês, Bernard Kouchner, são esperados em Bogotá nas próximas horas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.