Bird usa parceria com Google para mapear estragos no Haiti

Banco Mundial pretende reunir dados para ajudar reconstrução; empresas e universidades ajudam no projeto

Reuters,

05 de fevereiro de 2010 | 12h51

O Banco Mundial está utilizando imagens de satélite em parceria com o Google, a Nasa e outras empresas para mapear a destruição provocada pelo terremoto do dia 12 de janeiro no Haiti. A instituição pretende reunir os dados para ajudar na reconstrução do país.   

Tragédia no Haiti

link Clinton deve retornar com ajuda nesta sexta

linkAdvogado culpa líder missionária por sequestro 

A sede do banco em Washington, nos EUA, tem uma sala reservada para o Haiti. Nela, voluntários de 103 organizações, entre universidades, governos, empresas e agências humanitárias ajudam técnicos a mapear a área devastada pelo terremoto.

VEJA TAMBÉM:
video Assista a análises da tragédia
mais imagens As imagens do desastre
blog Blog: Gustavo Chacra, de Porto Príncipe
especialEntenda o terremoto
especialInfográfico: tragédia e destruição
especialCronologia: morte no caminho da ONU
lista Leia tudo que já foi publicado

"Pela primeira vez, o mundo está respondendo uma crise à maneira do século XXI", disse Joaquim Toro, especialista em administração de risco em desastres naturais do Banco Mundial. "A tecnologia nos permite ter uma dimensão maior do que aconteceu sem ter de ir ao local".

Aeronaves equipadas com sensores óticos sobrevoam o Haiti várias vezes por dia com sensores de laser e câmeras de alta definição. O material é baixado em um servidor da Universidade de Porto Rico e enviado ao Instituto de Tecnologia de Rochester, de onde é retransmitido para o Banco Mundial.

"Com este nível de detalhamento podemos analisar o nível do dano com mais precisão", disse Galen Evans, especialista em desenvolvimento urbano do Banco Mundial.

A parceria com Google, Yahoo, Nasa, Microsoft, ImageCAT e Earthquake Engineering Research Institute diminuiu pela metade o tempo previsto para avaliar os danos do desastre.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Terremoto no HaitiHaiti

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.