Boca-de-urna indica 2º turno em eleição no Uruguai

Ex-guerrilheiro e senador Mujica teria entre 45% e 46% dos votos; Lacalle vem em seguida, com 30% a 32%

Ariel Palacios, enviado especial de O Estado de S. Paulo,

25 de outubro de 2009 | 20h04

A coalizão de governo Frente Ampla, uma colcha de retalhos integrada por socialistas, democratas cristãos, comunistas e ex-guerrilheiros tupamaros comandada pelo presidente Tabaré Vázquez, um socialista ''light'', espera obter os suficientes votos dos eleitores para ficar mais uma meia década no poder no Uruguai.

 

Veja também:

blog Uruguaios da 'diáspora' podem virar uma eleição

As primeiras pesquisas de boca-de-urna parciais da eleição realizada hoje indicavam que o candidato da Frente Ampla à presidência da República, o ex-guerrilheiro e senador José ''Pepe'' Mujica teria entre 45% e 46% dos votos. Esta proporção não seria suficiente para vencer a eleição no primeiro turno, já que a lei uruguaia requer pelo menos metade mais um dos votos para conseguir a vitória no primeiro turno.

Uma das pedras no sapato de Mujica era o ex-presidente Luis Alberto Lacalle, candidato do Partido Nacional (Blanco), que segundo as pesquisas parciais teria de 30% a 32% dos votos. O terceiro candidato era Pedro Bordaberry, do Partido Colorado, ex-ministro do Turismo e filho do ditador civil Juan María Bordaberry, que teria obtido de 13% a 15% dos votos.

No entanto, os analistas políticos indicavam que Mujica teria força para vencer Lacalle no segundo turno, marcado para o dia 29 de novembro. Mas, Lacalle, tido como neoliberal pelos analistas (mas que define a si próprio como "nacionalista pragmático") promete não desistir e acena para os colorados para conseguir respaldo para a nova etapa nas urnas.

Mujica não conseguiu capitalizar para si próprio a intensa popularidade do presidente Vázquez, que possui 65% de aprovação popular. Os analistas indicam que alguns setores do centro-esquerda uruguaio temem o estilo "frontal" de Mujica, que deixa de lado a tradicional placidez e formalidade da política local. As urnas foram fechadas às 19h30 (horário de Brasília e Montevidéu).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.