Bogotá descarta inspeção para confirmar guerrilheiros na Venezuela

Chanceler colombiana destaca que Unasul pode restabelecer as relações bilaterais

Efe,

12 de agosto de 2010 | 04h25

BOGOTÁ - A ministra das Relações Exteriores da Colômbia, María Ángela Holguín, disse na quarta-feira, 11, que países e organismos internacionais não farão verificações sobre a suposta presença de guerrilheiros na Venezuela, afirmando que agora "estamos olhando para frente".

 

Veja também:

linkEleições e recessão explicam recuo de Chávez

linkSaída para crise afasta OEA e fortalece Unasul

lista Histórico de tensões entre os dois países 

"Não. Verificação, não. Estamos olhando para frente. Vamos ver que mecanismos podemos implementar. A ideia é que a comissão de segurança defina os melhores métodos", disse, em entrevista publicada na site do jornal El Tiempo, de Bogotá.

Na entrevista, ela destacou o importante papel da União de Nações Sul-americanas (Unasul) no restabelecimento das relações políticas e comerciais entre Colômbia e Venezuela, estipulado terça-feira em Santa Marta pelos presidentes Juan Manuel Santos e Hugo Chávez.

"O presidente Néstor Kirchner (secretário-geral da Unasul) é muito próximo ao presidente Chávez, e teve uma ótima relação com o presidente Santos. Isso gerou confiança nos dois lados", disse.

Quanto à Organização dos Estados Americanos (OEA), "o que vimos com a declaração do secretário-geral, José Miguel Insulza, é que esperaria que os dois países solicitassem alguma mediação. E, como se sabe, isso não traz confiança à Venezuela".

A administração do agora ex-presidente Álvaro Uribe apresentou perante a OEA uma denúncia, apoiada em vídeos, fotos e testemunhos de ex-guerrilheiros, afirmando que há chefes guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e do Exército de Libertação Nacional (ELN) na Venezuela.

Na ocasião, a Colômbia pediu a criação de uma comissão que verificasse as denúncias, pedido que foi reiterado na cúpula da Unasul realizada mês passado em Quito, Equador, para discutir a crise.

Acrescentou que, na reunião do próximo dia 20 de agosto com o chanceler venezuelano, Nicolás Maduro, em Caracas, a ideia é colocar para funcionar tanto o mecanismo para o tema de segurança na fronteira quanto as outras comissões.

As relações diplomáticas entre os dois países estavam suspensas desde o último dia 22 de julho pelas denúncias da Colômbia perante a OEA sobre a presença guerrilheira no país vizinho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.