Bolívia abre processo contra o Chile em Haia por saída ao mar

A Bolívia abriu na quarta-feira um processo contra o Chile na Corte Internacional de Justiça, em Haia, pedindo que o país vizinho aceite negociar "de boa fé" a devolução de um acesso ao oceano Pacífico, que a Bolívia perdeu numa guerra do século 19.

CARLOS A. QUIROGA, Reuters

24 de abril de 2013 | 19h55

Há mais de dois anos o presidente boliviano, Evo Morales, já havia anunciado a intenção de buscar vias judiciais depois de várias frustradas tentativas de diálogo com Santiago. Por causa da questão marítima, os dois países romperam relações desde 1978.

Fontes diplomáticas em La Paz e Haia disseram que a Corte Internacional deve acatar o processo e que o Chile reconhecerá a competência desse organismo para mover o processo adiante.

"A ação boliviana solicita à Corte Internacional de Justiça que sentencie e declare que o Chile tem a obrigação de negociar de boa fé com a Bolívia um acordo rápido e efetivo que outorgue uma saída plenamente soberana ao oceano Pacífico", disse o chanceler boliviano, David Choquehuanca.

A TV estatal boliviana transmitiu ao vivo a entrevista coletiva do ministro em frente à sede da corte. Ele acrescentou que o processo não deve ser visto como um ato de hostilidade contra o Chile.

Tudo o que sabemos sobre:
BOLIVIACHILEMAR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.