Bolívia apoia discussão sobre drogas na Cúpula das Américas

A Bolívia solicitou que o tema da legalização das drogas seja discutido na próxima edição da Cúpula das Américas, disse a anfitriã Colômbia, num assunto que contrapõe vários governos da região aos EUA.

LUIS JAIME ACOSTA, REUTERS

15 de março de 2012 | 20h27

O presidente da Bolívia, Evo Morales, confirmou sua participação na cúpula, desvinculando-se da ameaça de boicote de outros governantes esquerdistas em protesto contra a exclusão de Cuba do evento.

Falando ao lado de Morales em Bogotá, o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, disse que os países centro-americanos solicitaram a discussão sobre o tema da legalização das drogas.

"E o presidente Evo Morales está totalmente de acordo que essa é uma discussão muito necessária, que envolve nossos dois países, e não somente os dois países como todo o hemisfério", disse Santos.

A Colômbia é o maior produtor mundial de cocaína, e a Bolívia é o terceiro maior. A Guatemala e outros países centro-americanos, onde há grande atividade do narcotráfico, solicitaram a Santos que incluam a legalização e despenalização do uso de entorpecentes na pauta da 6a Cúpula das Américas, que reunirá 34 nações do continente em meados de abril em Cartagena.

Santos disse que o tema, embora não conste na pauta oficial, será discutido.

"Vamos propor na Cúpula que se abra uma discussão abrangente e ampla, com participação de todos os países e dos melhores especialistas, sobre os resultados da chamada 'Guerra às Drogas', e sobre as diversas estratégias que podemos assumir em conjunto para acabar com esse flagelo."

Um funcionário do governo norte-americano disse recentemente que os EUA estão dispostos a discutir o tema da despenalização do consumo, mas que levarão ao debate uma posição contrária à legalização e em prol do combate ao narcotráfico. Os EUA são apontados como o país com maior consumo de cocaína no mundo.

(Reportagem de Luis Jaime Acosta)

Tudo o que sabemos sobre:
BOLIVIADROGAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.