Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Polícia da Bolívia captura ex-assessor presidencial peruano que estava foragido

Martín Belaunde, acusado de corrupção, estava em prisão domiciliar em La Paz aguardando extradição para o Peru

O Estado de S. Paulo

28 de maio de 2015 | 21h46

LA PAZ - O ex-assessor do presidente peruano, Ollanta Humala, Martín Belaunde foi capturado nesta quinta-feira no norte da Bolívia, perto da fronteira com o Brasil, depois de fugir no domingo de sua prisão domiciliar em La Paz enquanto aguardava extradição para Lima por acusações de corrupção.

Belaunde, um empresário que enfrenta uma ordem internacional de prisão por peculato e formação de quadrilha, fugiu no domingo, apesar de contar com custódia oficial, o que provocou reviravolta no governo da Bolívia e levou à renúncia de um ministro e do chefe da polícia.

O ministro de governo da Bolívia, Carlos Romero, afirmou em entrevista coletiva que a captura do ex-assessor ocorreu à tarde na localidade de Magdalena, na região amazônica de Beni, na área de fronteira com o Brasil.

"O senhor Belaunde foi encontrado em perfeitas condições de saúde, ele não está ferido, não está machucado, não tem nem mesmo um arranhão que indique que tenha sido submetido a pressão, violência ou qualquer coisa do tipo", disse o ministro.

O ex-assessor do presidente Humala disse na terça-feira por telefone a um canal de televisão peruano que havia sido sequestrado por desconhecidos e escapou horas depois num carro em movimento, se ferindo.

Belaunde chegou em dezembro à Bolívia em busca de asilo político, negado pelo governo boliviano. O Peru afirmou que autoridades viajarão nas próximas horas à Bolívia para receber Belaunde na sexta-feira. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
BOLÍVIAPERUASSESSOR

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.