Bolívia criará força militar para lutar contra contrabando

Comando Amazônico vai operar nas fronteiras com o Brasil e Peru para evitar saída de produtos ilegais

Efe,

26 de julho de 2008 | 21h34

O governo da Bolívia anunciou a criação de uma força militar amazônica para lutar contra o contrabando, principalmente de hidrocarbonetos e madeira, para o Peru e o Brasil, informou neste sábado a Agência Boliviana de Informação. O ministro da Presidência, Juan Ramón Quintana, informou que a nova força militar, que se chamará Comando Amazônico, operará a partir do próximo ano nas regiões do norte de La Paz, de Beni e de Pando, que fazem fronteira com o Peru e o Brasil. O funcionário revelou o plano do governo na cidade de Pando, no norte do país. "Não vamos continuar permitindo que nossos recursos naturais continuem sendo objeto de tráfico: madeira, combustível, entre outros", declarou Quintana, que disse que as Forças Armadas têm um papel central "no atual governo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.