Bolívia debate legitimidade do referendo

As autoridades do Departamento deSanta Cruz comemoraram na segunda-feira a aprovação daautonomia regional do referendo do domingo, enquanto o governoboliviano disse que a elevada abstenção tira sua legitimidade. O resultado --84 por cento a favor da autonomia, após umterço da apuração-- é uma derrota para o programa reformista dopresidente Evo Morales. "[Foi] um completo sucesso para ademocracia", disse a corte eleitoral de Santa Cruz, queorganizou a votação. Pelo menos 18 pessoas ficaram feridas e um homem morreu emconfrontos entre governistas e opositores no dia da votação. A corte eleitoral e o governo central concordam que aabstenção esteve entre 36 e 40 por cento, o que segundo asautoridades nacionais é suficiente para anular o referendo. "O que é notável aqui é o nível fenomenal de abstenção",disse Juan Ramón Quintana, chefe de gabinete de Morales. "Estavotação foi ilegal. Não deveríamos citar quanta gente seabsteve?" A votação teoricamente poderia permitir que as autoridadesde Santa Cruz, a região mais rica da Bolívia, tivessem maiorcontrole sobre seus recursos naturais, seu Judiciário e sobreos impostos. Em discurso na noite de domingo, Morales disse que oreferendo foi ilegítimo, mas que continua disposto a dialogarcom os dirigentes conservadores de Santa Cruz e de três outrosDepartamentos das planícies orientais que pretendem realizarreferendos semelhantes nos próximos meses. O referendo de Santa Cruz agrava a divisão secular entre oAltiplano, onde há maior presença indígena, e as terras baixas,com maior população branca. Mas muitos pobres de Santa Cruz apóiam Morales, primeiroindígena a governar a Bolívia, e acham que a aprovação daautonomia só vai beneficiar os ricos e aumentar as divisões. "As coisas só vão piorar agora, porque um lado diz queganhou, e o outro diz que ganhou também. Haverá mais conflitoagora", disse Rodrigo, 22 anos, vendedor de material deescritório no bairro mais pobre de Santa Cruz de la Sierra. (Reportagem adicional de Alejandro Lifschitz)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.