Bolívia eleva tarifas de importação para nivelar com CAN

Segundo gerente do IBCE, escala tarifária de zero, 5% e 10% vigentes desde 1985, subirá 15% e 20%

Efe

22 de março de 2008 | 20h12

A Bolívia subirá a partir de 1º de abril suas tarifas de importação, nivelando-as com as vigentes na Comunidade Andina (CAN), que negocia um acordo de associação comercial com a União Européia (UE). Gary Rodríguez, gerente do Instituto Boliviano de Comércio Exterior (IBCE), entidade privada que presta assessoria aos exportadores, disse neste sábado, 22, à Agência Efe que a escala tarifária de zero, 5% e 10% vigentes desde 1985, subirá 15% e 20%. A mudança de encargos foi aprovada em novembro de 2007 por um decreto que determinou a vigência das novas tarifas a partir de abril, uma "exigência" da UE como parte da negociação que leva com a CAN, segundo Rodríguez. A proximidade da vigência das novas tarifas também foi confirmada ao jornal La Razón por fontes do Executivo, que destacaram o objetivo de proteger a produção local e as fontes de emprego no mercado nacional. No entanto, Rodríguez manifestou que esse propósito do Governo deve ser acompanhado por "um grande esforço" que controle o contrabando perante um mercado mais protegido. Na semana passada, várias organizações empresariais, entre elas o IBCE, apresentaram um estudo que revela o aumento do valor do contrabando na Bolívia até US$ 1,2 bilhão em 2007, frente aos US$ 700 milhões contabilizados três anos antes. Segundo Rodríguez, o próximo passo a ser dado pelos países andinos para negociar com a UE, após nivelar seus níveis tarifários, consiste em conseguir um acordo para que os produtos europeus possam entrar por qualquer alfândega dos países-membros da CAN. Esse passo de integração permitiria que um produto europeu que ingresse pelo porto peruano do Callao possa transitar livremente pelo território boliviano, equatoriano ou colombiano, algo similar ao que ocorre na Europa, explicou a fonte.

Tudo o que sabemos sobre:
BolíviaComunidade Andina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.