Bolívia pede apoio na OEA contra referendo de Santa Cruz

O governo da Bolívia pediu nestasexta-feira na OEA reprovação ao referendo de que acontece nodomingo pelo autonomia do Departamento de Santa Cruz. O pleitoé considerado ilegal pelo presidente Evo Morales e poderesultar em confrontos violentos no país andino. O chanceler boliviano David Choquehuanca pediu em reuniãoextraordinária do Conselho Permanente da Organização de EstadosAmericanos (OEA) apoio ao governo "legalmente constituído" deMorales e uma "recusa" às tentativas de "quebrar a ordemconstitucional". "Solicito ao Conselho Permanente (...) o respaldo aogoverno legalmente constituído, ao estado de direito, e àinstitucionalidade democrática na Bolívia, recusando qualquertentativa de quebrar a ordem constitucional", disse o ministroem discurso. Uma proposta de resolução formulada originalmente pelogoverno da Bolívia com sete itens, obtido pela Reuters, propõeapoio ao governo de Morales, rejeita o rompimento da ordeminstitucional e lamenta a realização do referendo do dia 4 demaio em Santa Cruz. O referendo é promovido por líderes da oposiçãoconservadora que estão contra a nova Constituição promovida porMorales. Durante a sessão do Conselho, o secretário-geral da OEA,José Miguel Insulza, disse que a crise política na Bolívia temtrês riscos: afetar a integridade territorial do país, romper aunidade democrática e acabar em violência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.