Bolívia prende 10 pessoas em Cobija; armas são apreendidas

Eles são acusados de envolvimento em atos violentos; munição é apreendida em cumprimento ao estado de sítio

Efe,

15 de setembro de 2008 | 14h26

O Exército da Bolívia prendeu nesta segunda-feira, 15, na cidade de Cobija (norte do país) dez pessoas supostamente comprometidas com os atos violentos que aconteceram no passado e apreendeu várias armas e munição em cumprimento do estado de sítio decretado na região de Pando. Veja também:Bolívia se aproxima de acordo para crise; Unasul se reúneLula pretende convencer Evo a aceitar ajuda Entenda os protestos da oposição na BolíviaEntenda o que é a UnasulEnviada do 'Estado' mostra o fim dos bloqueios Imagens das manifestações  Chávez aproveita deterioração diplomática dos EUA  O general Walter Panozo, comandante do Comando de Emergência em Pando, disse à imprensa em Cobija (capital de Pando) que os detidos, alguns dos quais tinham parte do armamento, serão enviados para a justiça, ao esclarecer que o Exército "não agirá fora da lei." Panozo acrescentou à rádio Erbol que estão detidos "por terem indícios de estarem comprometidos" nos violentos episódios dos últimos dias, nos quais, segundo o governo, puderam ter matado cerca de 30 pessoas. Após o confronto entre civis que aconteceram em Pando, por enquanto foram identificados 17 corpos, pois o restante ainda deve ser recolhido ou resgatado, diz o Executivo. Além disso, apresentou à imprensa o material apreendido com civis em suas casas, inclusive munição do Exército nacional, que, segundo o líder militar, pode ter sido adquirido ilegalmente pelas Forças Armadas. Panozo afirmou que a população de Pando pode ficar tranqüila com estas operações, ao dizer que estão identificando "a pessoas envolvidas com atos totalmente ilegais" e "situações que atentam contra a paz social, a tranqüilidade e a democracia." Segundo o líder militar, a população de Pando colaborou com o Exército para identificar pessoas que estiveram comprometidas na onda de violência, e foram realizadas patrulhas mais intensas para conseguir a pacificação total de Cobija.

Tudo o que sabemos sobre:
Bolíviacrise na Bolívia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.