Bom momento da economia e exposição na mídia devem selar reeleição de Correa

Apesar de união de forças entre opositores, que tentam arrastar disputa para o 2º turno, presidente equatoriano tem ampla vantagem na eleição de hoje; maior estabilidade econômica e limites à cobertura da imprensa garantiram apoio a líder formado nos EUA

Luiz Raatz, enviado especial,

16 de fevereiro de 2013 | 16h22

Cerca de 11 milhões de equatorianos vão às urnas neste domingo, 17, para eleger o novo presidente do país. No poder desde 2007, o esquerdista Rafael Correa, de 49 anos, é o favorito para reeleger-se para um terceiro mandato, até 2017, quando completaria uma década no cargo. O desafio de seus sete rivais é somar os votos necessários para levar a disputa para o segundo turno. Correa precisa de 50% dos votos - ou 40% com uma diferença de mais de 10 pontos sobre o segundo colocado - para reeleger-se.

As rígidas regras eleitorais equatorianas, impulsionadas pelo próprio presidente, restringiram o raio de ação de seus opositores nos 45 dias de campanha. Além disso, o bom momento da economia equatoriana, aliada a uma estabilidade política incomum na década que antecedeu a chegada de Correa ao poder, conferiram ao presidente altos níveis de popularidade, especialmente entre a população pobre.

A nova lei eleitoral, chamada de Código da Democracia e aprovada pela Assembleia Nacional no ano passado, determina que a imprensa equatoriana está impedida de fazer propaganda "direta ou indireta" por meio de mensagens que "tendam a favor ou contra" um candidato. Na sexta-feira, os jornais foram proibidos de publicar fotos do último dia da campanha, sob a justificativa de que as imagens poderiam influenciar na decisão do eleitor.

"Um segundo turno é improvável, mas não impossível", acredita o cientista político Simón Pachano, da Faculdade Latino Americana de Ciências Sociais (Flacso). "As normas eleitorais dificultaram o debate de ideias e a oposição não conseguiu encontrar uma proposta que desafiasse Correa, que teve mais exposição na mídia que os rivais."

O economista Walter Spurrier, da publicação online Análisis Semanal, concorda com essa avaliação. "Os meios de comunicação tiveram medo de informar livremente. Eles tinham de dar o mesmo espaço para todos os candidatos, mas o espaço dado às chapas menos relevantes prejudica quem poderia levar a disputa com Correa para o segundo turno", disse. "A imprensa limitou-se a informar o dia dos candidatos. Não creio que o eleitorado tenha podido analisar."

Um levantamento da ONG Participação Ciudadana divulgado na semana passada mostra que Correa teve três vezes mais tempo nos canais da TV estatal do que seu principal concorrente, o banqueiro Guillermo Lasso. A tendência repetiu-se nos jornais e nas rádios, apesar de o presidente ter tido menos aparições em canais privados que o rival.

Apoio da população

Apesar do comportamento refratário à imprensa, Correa é bem visto pela população, principalmente por seus investimentos em obras de infraestrutura e projetos sociais. Durante seu governo, 930 mil pessoas saíram da pobreza, que caiu 9 pontos porcentuais entre 2006 e 2011. Um programa similar ao Bolsa Família dá às mães de famílias de baixa renda, pessoas com deficiência e idosos US$ 50 por mês. Houve investimentos também em estradas, saúde e educação.

A dona de casa Mercedes Vayas, moradora do bairro de La Michelena, vai votar em Correa. Mãe solteira, recebe a ajuda mensal do governo. "Ele fez um bom governo. Tudo mudou depois que ele chegou ao poder", disse. "Os outros que estiveram no poder nunca fizeram nada. Se não fosse por ele, não conseguiria criar minha filha."

Completam a lista de principais candidatos o ex-presidente Lúcio Gutiérrez, que fugiu do país em meio a uma grave crise política em 2005, o magnata da banana, Alvaro Noboa, que tenta pela quinta vez chegar ao Palácio de Carondelet, e Alberto Acosta, um antigo colaborador de Correa que rompeu com o presidente e forjou uma aliança de extrema esquerda com parte do outrora forte movimento indígena.

Entre os "nanicos" destacam-se o centrista Mauricio Rodas, Norman Wray - um outro ex-aliado de Correa - e o pastor evangélico Nelson Zavala, conhecido por suas polêmicas posições homofóbicas e conservadoras. Ele prometeu, caso seja eleito, impedir os cantores Madonna e Marilyn Manson de pisar no Equador.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleição no Equador

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.