Bomba atinge 808 pessoas, deixa 424 casas destruídas e fere 36 na Colômbia

Ação terrorista causou comoção no país e acontece seis dias após a posse do presidente Juan Manuel Santos

Efe

12 de agosto de 2010 | 23h47

BOGOTÁ - Um total de 808 pessoas foram afetadas, das quais 36 ficaram feridas e já receberam alta, e 424 residências foram danificadas por causa do atentado com carro-bomba perpetrado nesta quinta-feira, 12, em Bogotá, segundo o último balanço das autoridades.

Segundo o Sistema Distrital de Prevenção e Atenção de Emergências (Sdpae), a explosão do veículo, carregado com cerca de 50 kg de explosivo, também causou danos em 124 locais comerciais, dezenas de escritórios e 18 veículos. A carga foi detonada em frente ao edifício da rádio Caracol e da agência Efe.

O departamento também informou que no local, uma área financeira e residencial do setor de Chapinero, no norte de Bogotá, 316 famílias foram afetadas, compostas por 699 adultos e 109 crianças.

O Sdpae avaliou 1.668 prédios e 68 ruas "com o fim de barrar o perímetro de afetação e conhecer as consequências do atentado".

Porta-vozes do Ação Social, um escritório estadual de assistência, afirmaram que continuarão atendendo atingidos na região do atentado amanhã.

A ação terrorista causou grande comoção entre os colombianos, e foi perpetrada seis dias depois da posse do presidente Juan Manuel Santos.

Protesto

Centenas de pessoas se concentraram hoje em frente ao edifício que abriga as sedes da Rádio Caracol e a agência Efe em protesto contra o atentado que causou comoção em todo o país.

Com cartazes afirmando frases contra a violência, vários cidadãos foram se aglomerando desde as 18h local em frente ao prédio, em resposta a uma convocação popular que Fois se estendendo sobretudo pelas redes sociais.

Representantes dos meios de comunicação e de organizações nacionais e internacionais compareceram à manifestação pacífica, entre eles o Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos na Colômbia, Christian Salazar.

Também estiveram presentes no local Esteban y Martín Santos, filhos do presidente Santos, que souberam do protesto pelo Twitter.

"Estes eventos terroristas não vão nos intimidar. Mostraremos a fortaleza, a serenidade e sobretudo o caráter e força do povo colombiano", disse o prefeito de Bogotá, Samuel Moreno, que também compareceu à manifestação.

Conforme foi escurecendo, as pessoas foram acendendo velas, mesmo com os veículos dos bombeiros e da polícia iluminando o local, que ainda permanecem na zona.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.