Bomba de gás lacrimogêneo paralisa comício do presidente equatoriano

Governo de Concórdia realiza consulta popular sobre divisão municipal

Efe,

20 de julho de 2010 | 04h17

QUITO - Um grupo de desconhecidos sabotou um comício do presidente equatoriano Rafael Correa na segunda-feira, 19, em uma localidade do norte do país, lançando uma bomba de gás lacrimogêneo no local, causando pânico entre os presentes, segundo informa uma testemunha.

Correa participava de um ato político, que tinha participação de aproximadamente três mil pessoas, na localidade de Concórdia, na província de Esmeraldas, quando um grupo de homens ainda não identificados lançou a bomba e provocou grande tumulto entre os participantes, que tentavam sair do local.

A segurança presidencial deu ao líder uma máscara protetora, e o transferiu a um lugar seguro, enquanto as pessoas afetadas foram socorridas por pessoal da Polícia Municipal, soldados das Forças Armadas e da Cruz Vermelha.

A Secretaria de Comunicação (Secom) da Presidência informa que Correa voltou ao palco e disse que o incidente foi causado por integrantes do partido político Movimento Popular Democrático (MPD) que, aparentemente, rejeitam uma consulta popular na localidade.

Essa consulta, apoiada pelo governo, determinaria se Concórdia permanece como município da província de Esmeraldas ou passa a fazer parte de Santo Domingo de los Tsáchilas, que faz divisa com a anterior.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.