Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Brasil aprova moção de repúdio a ação contra embaixada

Medida foi votada pela Câmara dos Deputados; Michel Temer diz que cerco ao prédio viola direito internacional

João Domingos, de O Estado de S. Paulo,

22 de setembro de 2009 | 18h29

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou na tarde desta terça-feira, 22,, por unanimidade, moção de repúdio às agressões sofridas pela Embaixada do Brasil em Honduras. Depois da votação, o presidente da Casa, Michel Temer (PMDB-SP), afirmou que o cerco ao prédio da embaixada por força militar e o corte no fornecimento de energia, água e telefone à sede diplomática brasileira foram "uma violação ao Direito Internacional."

 

Veja também:

linkEntrevista: Zelaya diz que espera solução pacífica para crise

linkBrasil quer que ONU discuta crise de Honduras

lista Ficha técnica: Honduras, um país pobre e dependente dos EUA

lista Eleito pela direita, Zelaya fez governo à esquerda em Honduras

especialCronologia do golpe de Estado em Honduras

especialEntenda a origem da crise política em Honduras

mais imagens Veja galeria de imagens do retorno

som Eldorado: Ouça comentário de Lula sobre crise política

som Eldorado: Mercadante cogita suspensão de acordos entre países

video TV Estadão: Jornalistas do 'Estado' discutem impasse em Honduras

Tropas do regime de Honduras se concentraram ao redor da embaixada brasileira, onde está abrigado o presidente deposto Manuel Zelaya, e dispersaram manifestantes favoráveis ao ex-mandatário. Temer afirmou que a presidência da Câmara se manifestará "toda vez que um território brasileiro for agredido no Exterior". Pelas leis internacionais, o local em que está situada a representação de um país no Exterior é considerado território soberano da nação representada.

Nesta terça, a chanceler do governo deposto de Manuel Zelaya, Patricia Rodas, afirmou que 313 pessoas estão na embaixada, entre elas a esposa de Zelaya e membros de seu governo. Ela também disse foram jogadas bombas de gás lacrimogêneo dentro da sede diplomática e que pelo menos uma menina teria morrido em meio a esses ataques.

Rodas, pediu à comunidade internacional que reinstale os representantes em Honduras, no momento em que a segurança do presidente e do povo está em perigo. "Chegou-se ao plano da tortura física e psicológica", disse em coletiva de imprensa em Nova York.

Representantes do governo deposto disseram que partidários de Zelaya como professores e sindicalistas, estavam sendo perseguidos e levados para um estádio de beisebol na capital Tegucigalpa. O filho de Manuel Zelaya, Héctor, disse que está "muito otimista" graças ao apoio que tem recebido do povo, mas que está muito preocupado com a situação atual do país.

A OEA tentou estabelecer um processo de negociação baseado no Acordo de San José, que propõe o regresso de Zelaya à presidência, o adiantamento das eleições presidenciais e uma anistia política.

 

(Com AP)

Tudo o que sabemos sobre:
Honduras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.