Brasil, Colômbia e Peru se unem contra crimes na fronteira amazônica

Países sul-americanos vão enfrentar, juntos, terroristas, contrabandistas e traficantes

Efe,

27 de novembro de 2010 | 03h24

BOGOTÁ - Brasil, Colômbia e Peru anunciaram nesta sexta-feira, 26, sua intenção de combater, em conjunto, todos os delitos na fronteira amazônica comum.

 

Os ministros da Defesa da Colômbia, Rodrigo Rivera, e do Peru, Jaime Thorne, assim como altos comandantes militares do Brasil, se reuniram em Leticia, cidade colombiana, porto fluvial sobre o rio Amazonas, a fim de debaterem manobras militares para combater os atos criminosos.

 

Unidades oficiais dos três países realizaram um exercício militar combinado de luta contra a guerrilha e toda a classe de delitos, no marco da integração regional no chamado Bracolper 2010.

 

Segundo as fontes, a ideia é que "possamos trabalhar todos juntos quando houver uma situação de risco". Os esforços são para enfrentar terroristas, contrabandistas, traficantes de armas e de drogas, com cada país exercendo o controle a partir de seu próprio território.

 

Na região amazônica colombiana atuam frentes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e grupos narcotraficantes, enquanto outras redes de traficantes de armas utilizam corredores como rotas para sua mercadoria.

 

Os três países exercerão a partir de agora um controle efetivo em suas selvas e rios que são utilizados pelos criminosos. As operações da Bracolper incluíram treinos de unidades terrestres, aéreas e fluviais dos três países.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.