Brasil, Colômbia e Peru vigiarão em conjunto rios da Amazônia

Brasil, Colômbia e Perufirmaram neste domingo um acordo para aumentar a vigilância nosrios da selva amazônica e combater as ações dos grupos armadosilegais, como a guerrilha, os traficantes de armas e osnarcotraficantes. O acordo foi assinado pelos presidentes do Brasil, LuizInácio Lula da Silva; da Colômbia, Álvaro Uribe; e do Peru,Alan García, na cidade de Letícia, onde os três se reunirampara celebrar a independência da Colômbia e participar de umdia mundial de manifestações para exigir a liberdade dossequestrados em poder da guerrilha Forças ArmadasRevolucionárias da Colômbia (Farc). "A ação trinacional nos rios fronteiriços é para fortalecernosso trabalho nesse importantíssimo território de mais de 4milhões de quilômetros quadrados e 50 milhões de habitantes,para evitar que seja alvo de cultivos ilegais ou tráfico dearmas", disse o presidente peruano. García revelou que, como parte do acordo, o Brasil vaiefetuar uma vigilância por satélite e aérea dos rios da selvaamazônica, que se complementará com obras de investimentosocial dos três países. Já o ministro da Defesa da Colômbia, Juan Manuel Santos,disse que o acordo é importante porque os rios se converteramnas autopistas da selva para a mobilização da guerrilha, gruposde narcotraficantes e traficantes de armas. "Na medida em que pudermos controlar esses rios de modoconjunto, haverá uma forma de neutralizá-los. Nisso vamos sermuito mais eficazes", acrescentou. A Colômbia tem uma fronteira de 1.645 quilômetros com oBrasil e de 1.642 quilômetros com o Peru, limitada por riosAmazonas, Putumayo, Vaupés e Taraira. (Por Luis Jaime Acosta, Reportagem adicional de MónicaGarcía)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.