Brasil e mais 6 países assinam acordo de criação do Banco do Sul

Idealizado por Hugo Chávez, instituição serviria como opção dos latinos a Fundo Moneetário Internacional (FMI)

Agência Estado,

27 de setembro de 2009 | 16h09

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, e os líderes de outros seis países da América do Sul assinaram um acordo para a criação do chamado Banco do Sul, que poderia ter mais de US$ 20 milhões em capital, segundo Chávez.

 

O banco será aberto com um capital de US$ 7 bilhões, disse no sábado, 26, o ministro de Finanças da Venezuela, Ali Rodriguez. Argentina, Brasil e Venezuela farão depósitos de US$ 2 bilhões cada. Equador e Uruguai farão depósitos individuais de US$ 400 e Bolívia e o Paraguai farão contribuições de US$ 100 milhões cada um.

 

A constituição do banco é uma ideia original de Chávez, que vem trabalhando no projeto deste 2007.

 

O objetivo da instituição é competir com agências multilaterais como o Fundo Monetário Internacional (FMI), que para Chávez são ferramentas dos países ricos para prejudicar as nações sem desenvolvimento.

 

"Este (o Banco do Sul) é o nosso banco, para acumularmos nossas reservas, as mesmas que eles usam em países do norte para oferecer empréstimos para nós", disse Chávez na noite de domingo, 27, durante a reunião de cúpula conjunta de países da África e da América do Sul, realizada na ilha venezuelana de Margarita.

 

Ele disse que os países ricos tem feito o mundo em desenvolvimento "de bobo" há anos com tais empréstimos, mas que "não somos mais bobos".

 

O acordo para a criação do banco foi assinado por Chávez e por líderes da Argentina, Bolívia, Equador, Brasil, Paraguai e Uruguai.

 

A Colômbia não participa do acordo. Seus representantes já haviam afirmado no passado que o país não faria parte do banco se o objetivo fosse rejeitar outros credores como o FMI ou o Banco Mundial. A Colômbia é o principal aliado dos Estados Unidos na América do Sul.

 

O ministro de Finanças da Venezuela, Ali Rodriguez, disse que o banco, assim que estabelecido, "vai permitir a transformação de estruturas produtivas dos países integrantes e fortalecer a cooperação que já existe entre eles".

 

Ainda há muito a ser feito antes de o banco se tornar realidade. Legisladores dos sete países precisam ser convencidos a apoiar a ideia.

 

Também durante a reunião, Chávez falou de seu plano de criar uma zona monetária conjunta para reduzir a dependência do dólar.

 

O "Sistema Sucre", como Chávez o denomina, permitiria que as transações comerciais realizadas entre os países fossem realizadas sem basear seus valores no dólar, a principal moeda do comércio mundial.

 

Chávez forneceu poucos detalhes sobre como o Sistema Sucre funcionaria. O nome é uma homenagem a Antonio Jose de Sucre, um herói sul-americano do século 19.

 

As informações são da Associated Press

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelaBanco do SulBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.