Brasil está 'satisfeito' com fim da crise da Colômbia e Equador

Em comunicado, Lula afirma que 'recebeu com grande satisfação' a notícia da retomada de relação entre países

Efe,

07 de junho de 2008 | 09h25

O Governo do Brasil manifestou neste sábado, 7, de maneira oficial sua satisfação pelo anúncio do Equador e Colômbia de retomarem suas relações diplomáticas, após uma crise que já dura três meses.   Veja também: Colômbia e Equador retomam relações após mediação de Carter Histórico dos conflitos armados na região   Entenda a crise    Segundo um comunicado do Ministério das Relações Exteriores, o Governo de Luiz Inácio Lula da Silva "recebeu com grande satisfação" a notícia de que os presidentes da Colômbia, Álvaro Uribe, e Equador, Rafael Correa, concordaram em restabelecer os laços bilaterais em nível de encarregados de negócios.   "O Governo brasileiro reafirma a convicção de que a continuidade do diálogo franco e construtivo entre os Governos dos dois países propiciará a consolidação da confiança mútua e de um espaço sul-americano livre de tensões e de conflitos", acrescentou o comunicado, divulgado na noite desta sexta-feira em Brasília.   Grupos armados da Colômbia   Apesar da retomada das relações, o ministro de Segurança Interna e Externa equatoriano, Gustavo Larrea, disse neste sábado que o Equador não tolerará a presença em seu território degrupos armados r regulares ou irregulares da Colômbia.   Em "nosso país há tolerância zero à presença de grupos regulares ou irregulares que atuem dentro do território nacional", disse Larrea aos jornalistas após afirmar que as Forças Armadas equatorianas se enfrentaram a um grupo irregular das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), na quarta-feira passada.   "Em um patrulha de nossas Forças Armadas na fronteira foi detectada a presença de um grupo de guerrilheiros das Farc. O Exército equatoriano atuou de maneira imediata", disse Larrea após dizer que não se pôde deter nenhum integrante desse grupo.   "Não foi possível a captura de nenhum deles, cruzaram em direção à Colômbia", disse Larrea, enquanto assegurou que militares equatorianos dispararam contra os membros desse grupo irregular.

Tudo o que sabemos sobre:
BrasilColômbiaEquador

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.