Ricardo Moraes/Reuters
Ricardo Moraes/Reuters

Brasil negocia acordo para permitir retorno de brasileiros na Venezuela

Cerca de 2 mil brasileiros vivem em Santa Elena do Uairén, primeira cidade do lado venezuelano; fronteira está bloqueada desde quinta, 21

Felipe Frazão e Luiz Raatz, enviados especiais a Pacaraima, O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2019 | 13h26

PACARAIMA - A situação dos brasileiros que vivem ou fazem turismo na região de fronteira com Venezuela causa apreensão em autoridades nacionais, que negociam um acordo para permitir a travessia deles, desde que a passagem oficial foi bloqueada pelo regime do presidente Nicolás Maduro, na última quinta-feira, 21. Oficiais do Exército relataram à reportagem que a diplomacia faz tratativas para conseguir uma permissividade maior.

Segundo os militares, que falaram na condição de anonimato, nesse momento os brasileiros que visitavam o Monte Roraima, cuja entrada passa pela área indígena onde houve um confronto com mortos, estão sendo acolhidos pelo vice-cônsul do Brasil em Santa Elena do Uairén, Ewerton Oliveira. A estimativa dos oficiais é de que 2.000 brasileiros vivam em Santa Elena, a primeira cidade do lado venezuelano. 

Todo o abastecimento de comida é atualmente provido por Roraima. “O vice-cônsul do Brasil em Santa Elena está acolhendo esse pessoal até que se sintam seguros e autorizados, de repente, o bloqueio seja  mais seletivo. As ambulâncias, por exemplo, passam”, disse o coronel Georges Feres Kanaan, coordenador operacional adjunto da Força Tarefa Logística Humanitária. “O vice-cônsul faz a segurança e a proteção desse pessoal e até dele mesmo.”

“A ordem é negociar. Existem muitas pessoa agitando do lado de lá e de cá”, disse um servidor do Consulado brasileiro em Santa Elena, que atravessou a fronteira pela estrada bloqueada, com autorização das Guarda Nacional Bolivariana. “O que aconteceu em Santa Elena é inaceitável, mas não é problema nosso, é um problema deles”, afirmou, em referência ao confronto interno de ontem, que deixou ao menos três mortos e dezenas de feridos.”

 

Agentes de viagem de Boa Vista que conversaram com a reportagem estimaram em 60 o número de brasileiros que faziam a travessia do Monte Roraima quando a fronteira foi bloqueada, na noite de quinta-feira.  Há ainda turistas de outras nacionalidades.

Um grupo deles, com mochilas de caminhada, conseguiu fazer a travessia ontem, por meio de trilhas abertas na mata de savana. O trajeto dura cerca de 3 horas e é considerado arriscado e ilegal pelas autoridades brasileiras, mas tem sido o único meio chegar ao País. Outros 13 mochileiros deveriam chegar hoje e estão no caminho. 

O Brasil ainda possui adido militar em Caracas e uma representação diplomática com um encarregado de negócios. Não há militares, ao menos oficialmente, em Santa Elena, cidade onde antichavistas e as forças bolivarianas entraram em choque ontem.

O senador Chico Rodrigues (DEM-RR) afirmou que a diplomacia brasileira deve estar vigilante e dar proteção. “Centenas de brasileiros vivem entre Santa Elena e Pacaraima, tem caminhoneiros, tem turistas em passeio no Monte Roraima que estão sem poder retornar o Brasil. É uma hora extremamente importante para o Itamaraty manter a vigilância em relação aos acordos internacionais e proteger os brasileiros que lá estão.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.