Jorge Silva/Reuters
Jorge Silva/Reuters

Brasil pode dobrar presença no Haiti, diz comandante

General frisou que decisão só pode ser tomada em conjunto com a Onu e precisa de aprovação do Congresso

Efe,

18 de janeiro de 2010 | 19h30

O Brasil está em condições de duplicar em um curto prazo o número de soldados que mantém no Haiti, para colaborar com a reconstrução do país e ajudar as vítimas do terremoto do último dia 12, disse nesta segunda-feira, 18, o comandante do Exército, Enzo Martins Peri.

 

Veja também:

linkONU pede e Brasil pode enviar até policiais ao Haiti

linkBan pede mais 3.500 soldados ao Conselho de Segurança

linkLula reforça papel do Brasil na coordenação de forças do Haiti

 

"Estaríamos em condições de duplicar nosso efetivo em um curto prazo, inclusive com tropas que já estiveram no Haiti e conhecem o terreno", declarou em entrevista coletiva o comandante.

 

O general esclareceu, no entanto, que uma decisão do tipo só poderá ser tomada em conjunto com as Nações Unidas e, além disso, deve ser aprovada pelo Congresso Nacional.

 

O Brasil está há cinco anos à frente das tropas de paz da Missão de Estabilização da ONU no Haiti

VEJA TAMBÉM:
video Assista a análises da tragédia
mais imagens As imagens do desastre
blog Blog: Gustavo Chacra, de Porto Príncipe
especialEntenda o terremoto
especialInfográfico: tragédia e destruição
especialCronologia: morte no caminho da ONU
lista Leia tudo que já foi publicado

 

(Minustah), formada por soldados e policiais de dezenas de países.

 

Peri confirmou que, dos 1.266 militares brasileiros que estavam no Haiti no momento em que aconteceu o terremoto, 16 morreram e outros dois seguem desaparecidos.

 

A médica Zilda Arns, fundadora e coordenadora da Pastoral da Criança, e Luiz Carlos da Costa, o segundo civil mais importante na hierarquia da ONU no Haiti, também morreram no tremor.

 

A possibilidade de que o Brasil amplie sua presença militar no Haiti também foi comentada nesta segunda pelo ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim. "Não excluo a possibilidade de que, à medida que as coisas evoluam, e se fossem necessários mais soldados, sejam enviados", declarou Amorim no Rio de Janeiro.

 

O terremoto de 7 graus na escala Richter aconteceu às 19h53 (Brasília) da última terça-feira e teve epicentro a 15 quilômetros da capital haitiana, Porto Príncipe.

 

Segundo declarações à Agência Efe, o primeiro-ministro do Haiti, Jean Max Bellerive, acredita que o número de mortos superará 100 mil.

Tudo o que sabemos sobre:
terremotoHaitiOnuMinustah

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.