Brasil quer que texto da Unasul não cite EUA, diz jornal

País defende cautela na cúpula sul-americana que busca saída para crise na Bolívia, afirma 'El Mercúrio'

BBC Brasil, BBC

15 de setembro de 2008 | 18h32

O jornal chileno El Mercúrio publicou uma reportagem nesta segunda-feira, 15, na qual afirma que o governo brasileiro está defendendo cautela na reunião da União Sul-americana de Nações (Unasul) sobre situação na Bolívia. O encontro na capital chilena, Santiago, reúne nesta segunda vários líderes regionais para buscar uma saída para a crise política boliviana.   Veja também: Cúpula para Bolívia não será palco de radicalismos, diz Chile Lula pretende convencer Evo a aceitar ajuda Entenda os protestos da oposição na Bolívia Entenda o que é a Unasul Enviada do 'Estado' mostra o fim dos bloqueios Imagens das manifestações   Chávez aproveita deterioração diplomática dos EUA   Segundo o jornal, o chanceler chileno, Alejandro Foxley, teria conversado com o seu homólogo brasileiro, Celso Amorim - que se recupera de uma cirurgia. Amorim teria pedido que a declaração final do encontro fosse "neutra e cuidadosa".   O chanceler brasileiro teria afirmado que no rascunho da declaração, que está sendo elaborado pelo governo do Chile, não deveria constar qualquer alusão ao conflito entre a Bolívia, Venezuela e Estados Unidos. "Conselhos que teriam sido acolhidos pela chancelaria chilena durante a elaboração do rascunho", escreveu o jornal.   Visões conflitantes   A influência ou não dos EUA na crise boliviana deve ser um dos temas mais polêmicos do encontro no Chile. Enquanto o Brasil defende uma postura neutra em relação ao possível papel americano, a própria Bolívia e a Venezuela culpam, ao menos em parte, os americanos pela atual crise.   Na quinta-feira os governos da Bolívia e Venezuela expulsaram os embaixadores norte-americanos de seus países. Ao chegar a Santiago de Chile, na tarde desta segunda-feira, Chávez voltou a acusar os EUA de terem participação na crise boliviana.   "Na Bolívia há uma conspiração dirigida pelo império norte-americano para derrocar a Evo Morales". Outro ponto delicado no debate deve ser sobre o papel dos países vizinhos no conflito interno da Bolívia. No domingo, Chávez voltou a dizer que não ficará "de braços cruzados" diante de um golpe de Estado na Bolívia e advertiu que poderia ajudar a uma "insurreição armada" para "restabelecer o governo de Morales."   Já no Chile, ele disse que os países da Unasul devem tomar uma decisão para "defender a democracia e a paz na Bolívia". Essa posição também vai de encontro à posição brasileira, que é de não ingerência nos assuntos internos de outras nações.   Além da anfitriã Bachelet, participarão do encontro nove presidentes da região, entre eles Lula, Cristina Kirchner(Argentina), Hugo Chávez (Venezuela), Álvaro Uribe (Colômbia) e Rafael Correa (Equador). O presidente da Bolívia, Evo Morales, também confirmou sua presença.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
Bolíviacrise na Bolívia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.