Brasil quer ser maior parceiro de Cuba

País pretende tomar posto de Caracas de principal aliado comercial da ilha

Denise Chrispim Marin, enviada especial a Havana,

30 de maio de 2008 | 21h11

Em visita oficial a Cuba, o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, disse ontem que o governo brasileiro quer que o Brasil assuma o posto da Venezuela como principal parceiro da ilha na América Latina. Para isso, o Itamaraty organizou uma missão com cerca de 40 executivos de empresas brasileiras interessadas em ampliar o comércio e alicerçar investimentos produtivos em Cuba e preparou terreno para a assinatura de um acordo de cooperação tecnológica para o cultivo da soja no país caribenho. Amorim desembarcou em Havana na noite de quinta-feira, pouco depois do retorno do chanceler da Venezuela, Nicolás Maduro, a Caracas. Diferente de Maduro, que foi recebido pelo presidente de Cuba, Raúl Castro, Amorim não havia conseguido uma audiência com o líder cubano. Leia a reportagem completa na editoria de Internacional de 'O Estado de S. Paulo' deste sábado, 31

Tudo o que sabemos sobre:
1º na webCubaBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.