Brasileiro é assassinado a tiros por narcotráfico no norte do México

Miguel Fabricio Ibarra Almeida, de 46 anos, entrava em seu carro quando foi alvejado por tiros de fuzil

estadão.com.br,

08 de outubro de 2010 | 20h10

CULIACÁN, MÉXICO- Um brasileiro foi assassinado a tiros na noite de ontem em Culiacán, no estado mexicano de Sinaloa, onde outras cinco pessoas também morreram baleadas em atos diferentes, informou um funcionário da procuradoria estadual nesta sexta-feira, 8. As informações são da agência de notícias AFP.

 

Veja também:

linkConfronto termina com 6 criminosos mortos no México

 

O brasileño Miguel Fabricio Ibarra Almeida, de 46 años e que morava a cidade, foi executado quando entrava em seu veículo. "As testemunhas dizem que os homicidas viajavam em outro veículo e dispararam com fuzis da alto poder, tipo AK-47", disse um funcionário da procuradoria à AFP, sob condição de anonimato.

 

Em Mazatlán, um dos destinos turísticos de litoral mais importantes do México, um jovem de 21 anos foi baleado a poucos metros de sua casa. No cadáver, foi colocada uma mensagem atribuindo o assassinato ao cartel Los Zetas, segundo a imprensa local.

 

Na cidade de Navolato, duas pessoas foram mortas a tiros no cruzamento de uma estrada." Segundo a polícia, as vítimas estavam seminuas, algemadas e com os olhos cobertos com fita adesiva.

 

As outras duas vítimas foram baleadas nos municípios de Mocorito e Elota.

 

O capo de drogas mais procurado do mundo, Joaquín 'El Chapo' Guzmán, é de Sinaloa, cujo cartel de Sinaloa está em disputa em vários estados mexicanos com o dos Zetas, um dos mais sanguinários do México.

 

Desde que o presidente Felipe Calderón assumiu o poder, em dezembro de 2006, e declarou guerra contra o narcotráfico, mais de 29 mil pessoas morreram no país em ações relacionadas ao crime organizado.

Tudo o que sabemos sobre:
Los ZetasSinaloaMéxiconarcotráfico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.