Brasileiro tem fazenda atacada no Paraguai; 2 feridos

Lugo e líderes camponeses anunciam acordo parcial para frear ocupações de fazendas agrícolas

Efe,

08 de outubro de 2008 | 02h12

Dois guardas de uma fazenda paraguaia pertencente a um brasileiro ficaram feridos nesta terça-feira, 7, durante um ataque de camponeses sem-terra, informaram as autoridades de Edelira, no sul do Paraguai. Um dos guardas, Luciano Flores, teve o rosto atingido por vários tiros de chumbinho e, com um ferimento no olho, foi encaminhado para um hospital da Encarnación, 370 quilômetros ao sul de Assunção. Fontes do Polícia disseram que os guardas foram atacados de um monte vizinho à fazenda do brasileiro Rogério Zwirtes, que, segundo denunciou, já foi vítima de vários ataques de sem-terra da região. "Estas pessoas não querem nos deixar trabalhar. Não há segurança", lamentou o produtor agrícola. O ataque foi quase simultâneo a uma reunião em Assunção entre o chefe de Estado, Fernando Lugo, e líderes de organizações camponesas, que discutiram a tensão que impera nas áreas rurais do país. Após o encontro, que durou várias horas, os sem-terra anunciaram um acordo parcial com as autoridades para frear as ocupações de fazendas agrícolas. Em troca, Lugo prometeu impulsionar a reforma agrária. Antes desse encontro, Elvio Benítez, da Coordenadora de Produtores Agrícolas de San Pedro Norte e aliado do presidente, disse aos jornalistas que estão dispostos a expulsar de suas terras os fazendeiros brasileiros estabelecidos na fronteira, que, em sua maioria, se dedicam ao cultivo de soja. "Neste caso, (vamos) ocupar terras, brigar, até mesmo expulsar esses brasileiros, que estão invadindo e sendo amparados pela Justiça paraguaia", declarou Benítez antes da reunião com o chefe de Estado. Calcula-se que 300 mil brasileiros vivem ao longo da fronteira Brasil-Paraguai, muitos deles com grandes propriedades. A tensão nas áreas rurais do país aumentou desde que, na semana passada, um sem-terra morreu durante a desocupação da fazenda de um brasileiro no departamento de Alto Paraná, na fronteira com o Brasil.

Tudo o que sabemos sobre:
Paraguaiinvasão de fazendassem-terra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.