Caminhão carregado de nitrato de amônio explode e mata 28 no México

Pelo menos 154 pessoas foram feridas; 67 casas e 50 veículos foram danificados

Associated Press,

11 de setembro de 2007 | 01h36

Um caminhão carregado com 25 toneladas de nitrato de amônio colidiu com outro veículo no norte do México e explodiu, matando ao menos 28 pessoas e ferindo 154, de acordo com as informações oficiais. O acidente aconteceu na noite de domingo na comunidade mineira de Sacramento. As autoridades chegaram a informar que o número de mortes subiu para 34, mas o governo de Coahuila, Humberto Moreira, disse que apenas 28 corpos foram resgatados. Moreira informou ainda que 67 casas e 50 veículos foram danificados com a explosão. Entre os mortos há três jornalistas que trabalhavam na cobertura do acidente. As autoridades informaram que a batida atraiu curiosos, junto com um pequeno grupo de policiais, soldados, bombeiros e jornalistas. Pouco depois da chegada deles, o caminhão pegou fogo e explodiu. O impacto da explosão deu origem a uma cratera no solo de três metros de profundidade e 15 de diâmetro, disse Máximo Alberto Neri López, um agente da polícia federal. Médicos da cidade de Monclova disseram que 154 pessoas ficaram feridas, e 52 pessoas continuam hospitalizadas. Ernesto Mata Castillo, um médico que ajudou as vítimas, disse na segunda-feira que a explosão que a explosão foi "um tipo de coisa que eu vi apenas pela televisão em zonas de guerra". "Eu vi pedaços do caminhão voando", disse Mata Castillo, que estava dirigindo na auto-estrada cerca de 200 quilômetros ao sudoeste da fronteira americana onde aconteceu o acidente. O acidente aparentemente não foi pior porque houve um tempo entre a batida e a explosão. As pessoas não sabiam que o caminhão estava carregado de material explosivo. "O caminhão não tinha nenhum sinal que indicasse perigo", disse Mata Castillo. "Nenhum de nós sabia que ele carregava material explosivo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.