Camponeses decidem expulsar agência americana da Bolívia

Aliados de Evo devem expulsar Usaid, alegando que americanos os confudem com 'oficinas de capacitação'

Efe,

20 de setembro de 2008 | 13h36

Camponeses do Departamento boliviano de Chuquisaca, aliado do governo do presidente Evo Morales, decidiram expulsar de seu território a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (Usaid), informou neste sábado, 20, a imprensa local. Veja também:Governo Evo pede que Brasil expulse bolivianos refugiadosEvo propõe autonomia em troca de referendo constitucionalBolívia pode rachar, mas ninguém se beneficiaria, diz analistaBolívia tem histórico de golpes e crises  Entenda os protestos da oposição na Bolívia Enviada do 'Estado' mostra fim dos bloqueios Imagens das manifestações   A medida, que deve ser aplicada nos próximos dias, foi adotada pela Federação Única de Trabalhadores dos Povos Originários de Chuquisaca (Futpoch) justamente quando se completam três meses da expulsão da Usaid da província de Chapare, em Cochabamba. Além disso, há poucos dias Evo declarou "persona non grata" o embaixador americano na Bolívia, Philip Goldberg, que foi obrigado a sair do país. Segundo a imprensa local, a expulsão da Usaid foi justificada pela secretária-geral da Futpoch, Nélida Sifuentes, por haver suspeita de que os funcionários americanos estejam "confundindo os camponeses com oficinas de capacitação." No final de junho, os funcionários da Usaid abandonaram Chapare após serem ameaçados pelos produtores de folha de coca da região, cujo líder ainda é Evo.  Os camponeses acusaram os voluntários americanos de conspirar contra o presidente, que os felicitou por terem adotado uma medida com a qual conseguiram que seu território ficasse "livre do imperialismo."

Tudo o que sabemos sobre:
Bolíviacrise na Bolívia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.