Candidato da oposição na Colômbia muda discurso e diz que conversará com as Farc

O candidato presidencial colombiano Óscar Iván Zuluaga, que enfrenta o atual presidente Juan Manuel Santos nas urnas, abandonou sua ameaça de encerrar as conversas de paz com rebeldes guerrilheiros caso seja eleito, mudando sua posição sobre o assunto mais central dessas eleições.

JULIA SYMMES COBB E PETER MUR, Reuters

30 Maio 2014 | 09h12

Zualaga, de direita, foi o candidato com mais votos no primeiro turno realizado no domingo, embora não tenha obtido o suficiente para evitar um segundo turno em 15 de junho.

Ele agora está empatado com Santos, de acordo com pesquisa na quinta-feira, aumentando o suspense na mais disputada eleição na Colômbia em vários anos.

Zuluaga disse na quinta-feira à rádio Caracol que, se eleito, ainda exigirá que o grupo Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) interrompa os combates e as atividades criminosas para que as conversações de paz iniciadas por Santos, em 2012, sejam continuadas, mas acrescentou que não mais suspenderia imediatamente as negociações como havia prometido.

O candidato não disse quanto tempo daria às Farc para declarar um cessar-fogo, uma condição que a guerrilha rejeitou até agora, mas disse ter mudado de opinião a pedido da líder do Partido Conservador, Marta Lucía Ramírez, em troca de seu apoio na fase final da campanha.

A questão de como encerrar esse conflito no país, que já dura 50 anos e tirou a vida de mais de 220 mil pessoas, tem sido um ponto crucial na corrida eleitoral.

(Reportagem adicional de Luis Jaime Acosta em Bogotá)

Mais conteúdo sobre:
COLOMBIA OPOSICAO FARC*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.