Capo do narcotráfico mexicano é morto em confronto com militares

Ignacio "Nacho" Coronel, um dos líderes do cartel Sinaloa, murreu durante operação do Exército

Reuters,

29 de julho de 2010 | 21h19

CIDADE DO MÉXICO- Ignacio "Nacho" Coronel, um dos principais capos do cartel de drogas mexicano Sinaloa, foi morto nesta quinta-feira, 29, em um confronto com forças de segurança.

 

Veja também:

linkUm dos 4 jornalistas sequestrados no México é libertado, diz fonte

 

A morte de "Nacho" é uma vitória para a guerra do presidente Felipe Calderón contra o narcotráfico que domina partes inteiras do país.

 

O Ministério de Defesa mexicano confirmou a morte de Nacho. O general Edgar Luis Villegas disse em coletiva de imprensa que o narcotraficante resistiu a ser preso e abriu fogo contra os militares, matando um e ferindo outro.

 

O traficante indiciado nos Estados Unidos era um antigo membro do poderoso cartel Sinaloa, com base no nordeste do México, e um dos principais homens de confiança, Joaquin Guzman, criminoso mais procurado do país.

 

A morte pode ser positiva para Calderón, que lançou uma campanha militar contra cartéis de drogas em dezembro de 2006. A imagem do presidente conservador, no entanto, está prejudicada pela crescente violência que atinge todo o país, e críticos afirmam que ele falhou na meta de capturar chefes do narcotráfico neste ano.

 

Mais de 26.000 pessoas morreram pelas mãos do crime organizado nos últimos quatro anos no país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.