Cardeal acusa Chávez de levar a Venezuela rumo a uma ditadura

Jorge Urosa se diz preocupado com pacote de leis aprovado que aumenta os poderes do governo

AP,

24 de dezembro de 2010 | 19h36

CARACAS- A máxima autoridade da igreja católica da Venezuela se disse preocupada nesta sexta-feira, 24, com as vinte leis aprovadas neste mês pela Assembleia Nacional que aumentam os poderes do governo e afirmou que o país avança rumo à ditadura.

 

Veja também:

linkEstudantes protestam em Caracas contra lei que reduz autonomia universitária

 

"Estamos avançando até uma ditadura", disse o cardeal Jorge Urosa Savino, após expressar preocupação com o pacote de 22 leis aprovadas pelo Congresso nas últimas três semanas, entre as quais uma que dá poderes ao presidente Hugo Chávez para legislar por um ano e meio, entre outras que aumentam o controle estatal sobre a imprensa, bancos, universidades e ONGs.

 

Sem mencionar Chávez, Urosa disse ao canal de notícias Globovisión que quem dirige o governo deve ter em conta "a responsabilidade grandíssima que terão ante a história e ante Deus, se querem impor uma ditadura totalitária que certamente será algo terrível para a Venezuela".

 

O religioso recordou que Chávez manifestou sua decisão de levar o país a um regime marxista-socialista e garantiu que as autoridades locais da igreja católica não cessarão sua defesa pelos direitos consagrados na Constituição, mesmo que isso "gere mal estar".

 

"Se alguém se incomoda porque o Episcopado diz que há presos políticos, se alguém se sente atingido porque pedimos respeito ao direito à informação, lamentamos muito; mas isso é um postulado da Constituição", declarou Urosa.

 

Chávez minimizou hoje as críticas feitas pela oposição, autoridades eclesiásticas e organizações humanitárias. "Deixe-me trabalhar, que o que eu faço é trabalhar pelo povo", disse o presidente na TV estatal.

 

O cardeal entrou em conflito com Chávez neste ano após declarar que o país avançava rumo a um "Estado socialista" de sistema "marxista-comunista".

 

Chávez respondeu as afirmações chamando Urosa de "troglodita" e "mentiroso" e ordenou a revisão de um acordo que o governo venezuelano tem com o Vaticano, que dá prioridade à igreja católica sobre outras igrejas.

 

Desde que assumiu o poder, em 1999, Chávez tem mantido relações conturbadas com as autoridades católicas locais, a quem acusa de dar as costas aos pobres e apoiar a oligarquia.

 

De acordo com pesquisas, a cúpula eclesiástica tem uma alta credibilidade no país, onde mais de metade dos 28 milhões de habitantes é católica.

Tudo o que sabemos sobre:
Hugo ChávezVenezuelaJorge Urosa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.