Cardeal cubano foi aos EUA antes de libertação de presos, diz Washington

Segundo Departamento de Estado, governo Obama estava ciente das libertações

Efe,

16 de julho de 2010 | 19h17

WASHINGTON- O Departamento de Estado americano confirmou nesta sexta-feira, 16, que o cardeal cubano Jaime Ortega esteve em junho nos Estados Unidos, pouco antes da Igreja Católica da ilha anunciar o acordo que alcançou com o governo para a libertação de 52 presos políticos.

 

Veja também:

linkDissidentes de Cuba libertados dizem não ver abertura no país

linkDissidentes exigem status de asilados

link'É preciso ir além das libertações', diz HRW

especialEntenda a crise dos presos políticos de Cuba

lista Veja lista dos 52 presos políticos

A afirmação foi feita pela porta-voz para o Hemisfério Ocidental, Virginia Staab, em declarações à agência Efe.

 

O Departamento dirigido pela secretária de Estado, Hillary Clinton, não confirmou, no entanto, a reunião que Ortega teve com o secretário de Estado adjunto para o continente americano, Arturo Valenzuela, segundo informa o jornal espanhol El País.

 

Porém, Virginia disse que o governo do presidente Barack Obama sabia "através de várias fontes" que Cuba "estava planejando libertar presos políticos e que a Igreja Católica e o governo da Espanha estavam colaborando para isso".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.