AFP PHOTO / Ezequiel BECERRA
AFP PHOTO / Ezequiel BECERRA

Ex-ministro Carlos Alvarado vence eleições presidenciais na Costa Rica

Com mais de 95% das urnas apuradas, o candidato do Partido Ação Cidadã (PAC) obteve 60,74% dos votos, contra 39,26% do evangélico Fabricio Alvarado, após uma campanha polarizada pela discussão sobre religião e casamento gay

O Estado de S.Paulo

02 Abril 2018 | 01h10
Atualizado 02 Abril 2018 | 08h06

SAN JOSÉ - O ex-ministro Carlos Alvarado venceu a eleição presidencial da Costa Rica, ao superar no segundo turno o candidato evangélico Fabricio Alvarado, após uma campanha polarizada pela discussão a respeito da religião e do casamento entre pessoas do mesmo sexo.

+ Casamento gay pode eleger pastor na Costa Rica

+ Na Costa Rica, 2º turno presidencial terá pastor contra roqueiro

Com 95,58% das urnas apuradas, Carlos Alvarado, do governista Partido Ação Cidadã (PAC), obteve 60,74% dos votos, contra 39,26% do rival, candidato pelo conservador Restauração Nacional (RN), um partido que surgiu das igrejas neopentecostais.

+ Perfil: Fabricio Alvarado, o pregador que disputará a presidência na Costa Rica

+ Evangélico e governista disputarão 2º turno na Costa Rica

"Foi um triunfo do candidato que pregou um discurso de amor e tolerância", afirmou Rodrigo Echeverría, de 48 anos, que comemorava o resultado no centro de San José.

A votação foi polarizada pela discussão sobre o casamento gay, depois que, durante o primeiro turno, Fabricio Alvarado prometeu retirar a Costa Rica da Corte Interamericana de Direitos Humanos após uma decisão da entidade favorável à união entre pessoas do mesmo sexo.

Carlos Alvarado defendeu o direito ao casamento gay, que a legislação do país proíbe atualmente, e apresentou uma agenda de defesa dos direitos humanos. Apesar do mesmo sobrenome, os candidatos não são parentes.

O vencedor pediu a unidade do país em seu primeiro discurso e fez um apelo ao Congresso para aprovar a reforma tributária, que permitirá enfrentar o déficit fiscal de 6,2% do Produto Interno Bruto (PIB). "Meu dever será unir esta república para fazer com que siga adiante, e seja a república líder do século 21", declarou a milhares de seguidores.

O presidente eleito prometeu entrar em contato com os líderes de todos os partidos representados no próximo Congresso para formar um governo de unidade. "Entendemos que esta é a mensagem da cidadania, fazer um governo para todos", disse Carlos Alvarado, um jornalista e cientista político de 38 anos.

O candidato derrotado ligou para o presidente eleito e o felicitou pelo resultado. "Não vencemos, mas podemos aceitar este resultado com a cabeça erguida", declarou Fabricio Alvarado. "Felicito o senhor Carlos Alvarado. Após os resultados, liguei, dei minha felicitação e disse que pode contar conosco."

O partido RN terá 14 deputados na Assembleia Legislativa, de um total de 57, a segunda maior bancada parlamentar. A próxima legislatura começa no dia 1.º de maio. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.