Cartel do México diz que irá depor armas se governo garantir segurança

La Familia Michoacana pede que autoridades controlem Michoacán 'com força e decisão'

Ansa e BBC,

10 de novembro de 2010 | 22h22

Mexicanos leem cartaz deixado pelo cartel na cidade de Zitácuatro

 

CIDADE DO MÉXICO- O cartel mexicano La Familia Michoacana anunciou nesta quarta-feira, 10, que poderia deixar as atividades criminosas para não continuar sendo "pretexto para que as autoridades continuem lacerando e humilhando os direitos humanos de nossos irmãos".

 

Veja também:

linkONU pede investigação sobre massacre de 72 imigrantes no México

linkMexicanos temem mais violência após morte de traficante

 

O anúncio foi feito por meio de cartazes deixados em pontos públicos da cidade de Zitácuatro, que é controlada pela organização criminosa, também enviados a veículos da imprensa mexicana.

 

No texto, o grupo disse que poderia "desaparecer" se o governo de Felipe Calderón se comprometer a "garantir a paz" em Michoacán, sul da nação.

 

A mensagem enfatizou que o cartel já "reintegrou" suas "atividades produtivas", mas condicionou a mobilização ao fato de os governos federal e local e as polícias "se comprometam a tomar o controle de Michoacán com força e decisão".

 

Criado em 2005, o cartel disse ainda que seu objetivo inicial era "lutar contra a ineficácia das autoridades mexicanas para erradicar de Michoacán os ladrões, estupradores, narcotraficantes e sequestradores".

 

Ao mesmo tempo, pediu à sociedade que se pronuncie, ainda por meio da imprensa, sobre a nova decisão.

 

Os cartéis controlam o tráfico de drogas que vai da América do Sul para os EUA, um negócio que vale cerca de US$ 13 bilhões por ano.

 

Seu poder aumentou à medida que os EUA aumentavam a intensidade de suas operações antidrogas no Caribe e na Flórida. Um relatório do Departamento de Estado americano afirma que cerca de 90% da cocaína dos EUA entra no país através do México.

 

O gabinete do procurador-geral do México, em relatório divulgado em março de 2009 que identificou os 24 principais traficantes do país, listou sete principais cartéis, indicando que as gangues tinham se dissolvido e reagrupado.

 

Os principais grupos criminosos são: Organização Arellano Félix, Organização Beltrán Levya, Cartel Los Zetas, Cartel de Sinaloa, Organização Carillo Fuents, Cartel do Golfo-Nova Federação e Família Michoacana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.