Casa Branca condena prisão de ativistas cubanos

A Casa Branca condenou nesta quarta-feira a prisão de dezenas de ativistas cubanos pró-democracia que lamentavam a morte do dissidente Oswaldo Payá, dizendo que isso mostra o "clima de repressão" em Cuba.

Reuters

25 de julho de 2012 | 15h45

Payá, de 60 anos, líder do Movimento Cristão de Libertação, e o dissidente Harold Cepero morreram em um acidente de carro na província de Granma, no leste do país, no domingo. A causa do acidente está oficialmente sob investigação.

Enquanto ativistas, diplomatas e amigos deixavam uma cerimônia fúnebre em uma igreja de Havana para acompanhar a família de Payá ao cemitério na terça-feira, a polícia deteve dezenas de dissidentes que cantavam "liberdade, liberdade", colocando todos num ônibus e os levando embora.

"Infelizmente, essas prisões são uma demonstração completa do clima de repressão em Cuba", disse o porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, em comunicado.

"Pedimos que o governo cubano respeite as liberdades fundamentais reconhecidas internacionalmente, incluindo a liberdade de expressão", afirmou ele.

(Reportagem de Margaret Chadbourn)

Tudo o que sabemos sobre:
CUBACASABRANCACONDENA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.